OBRA DE LE CORBUSIER PODE SE TORNAR PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE



Por Alexandre Figueiredo

Uma das maiores obras do arquiteto franco-suíço Le Corbusier é a mais cotada para se tornar patrimônio mundial da humanidade, conforme candidatura anunciada durante a 35ª Sessão do Comitê de Patrimônio Mundial da UNESCO.

O Centro de Recreação do Corpo e do Espírito (Centre de Récréation du Corps et de L''Esprit), localizado na cidade de Firminy, no Sul da França, lidera a lista dos 37 lugares candidatos ao título de patrimônio mundial apresentada no evento.

O complexo arquitetônico, construído a partir de 1953 na pequena cidade francesa, expressou o conceito de "cidade utópica" pensada pelo famoso arquiteto, um dos maiores da corrente modernista que inspirou brasileiros como Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, por sinal orientados pelo próprio Le Corbusier na elaboração do Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro, um dos patrimônios históricos do Brasil.

A construção da "cidade utópica" em Firminy obedeceu critérios lançados pela Carta de Atenas de 1933, que estabeleceu condições para a construção de edifícios nas cidades. E Le Corbusier aproveitou nas construções suas ideias de aproveitamento do espaço, da ecologia e da luminosidade.

Além disso, a unidade habitacional de Firminy é marcada pelos detalhes arquitetônicos mais simples e práticos, como corrimãos e varandas ergonômicos, bancos para descansar estrategicamente localizados e mobílias integradas nos apartamentos com funções como apoiar um copo enquanto se contempla a paisagem do vale.

O complexo de vários prédios, inclusive uma igreja, dotados de terraço-jardim, estrutura de pilotis e um permanente jogo de iluminação foram catalogados entre os monumentos históricos da França, na época de sua construção, entre 1953 e 1965, ano da morte do arquiteto que idealizou a "cidade utópica".

No entanto, um dos problemas relacionados ao complexo arquitetônico está na igreja, marcada pelo espaço multiconfessional, teve parte da pintura da constelação de Orion perfurada em uma das paredes, e até 2006 a obra teve dificuldades para ficar completa.

FONTE: Terra Notícias.

Comentários