Pular para o conteúdo principal

IPHAN LANÇA LIVROS SOBRE TERREIROS DE BRASÍLIA



Por Alexandre Figueiredo

Hoje, 28 de fevereiro, está prevista a cerimônia de lançamento do livro Inventário dos Terreiros do DF e Entorno - 1ª Fase, na Praça dos Orixás, na Prainha do Lago Sul de Brasília. O local é próximo à Ponte Costa e Silva, localizado no lado esquerdo da capital federal.

É bastante curioso pesquisar e analisar os terreiros de umbanda e candomblé no atual Distrito Federal, no ano dos seus 50 anos de existência, mostrando que a atual capital do país e suas áreas próximas também servem de cenário para uma das mais antigas expressões da cultura africana no Brasil.

O evento é iniciativa da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – Seppir e da 15ª Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, localizada no Distrito Federal (IPHAN-DF). O lançamento conta também com o apoio da Federação Espírita Brasiliense e do Entorno de Umbanda e Candomblé e do Foafro-DF.

O superintendente do IPHAN no Distrito Federal, Alfredo Gastal, disse que a preocupação da instituição com a preservação dos terreiros iniciou há 25 anos, com o tombamento, em Salvador (Bahia), de uma das mais antigas casas de candomblé no país, a Casa Branca. "Nós, brasileiros, tivemos influência europeia, asiática, mas a cultura negra permeou absolutamente todos os aspectos das nossas vidas. Não podemos ignorar a importância dessa contribuição", destaca o superintendente.

A publicação, organizada pelo próprio IPHAN, e terá distribuição gratuita nas bibliotecas, nos órgãos públicos e também entre pesquisadores e interessados pelo universo do Candomblé e da Umbanda. Durante a pesquisa, as equipes do Iphan identificaram e catalogaram 26 terreiros em várias cidades do Distrito Federal e do Entorno.

Por suas características que, durante muitos anos, não foram bem aceitas pela sociedade, as casas de culto afro-brasileiras costumam se localizar em lugares mais afastados e de difícil acesso, como, por exemplo, as chácaras situadas em áreas rurais. Todas essas casas realizam constantemente festas públicas, além de prestarem a qualquer interessado o serviço de aconselhamento espiritual particular.

Uma das tradicionais casas situadas no Distrito Federal é o terreiro Ilê Axé Opô Afonjá – Ilê Oxum, comandado por Railda Rocha Pitta, 72 anos — conhecida por todos como Mãe Railda. Fundado em 1972, foi construído em um amplo terreno em Valparaíso, a 45 quilômetros do centro de Brasília, por doação de um lote por um amigo pessoal de Mãe Railda.

O terreiro, que Mãe Railda concebeu por orientação de Mãe Menininha do Gantois, uma das maiores representantes femininas do candomblé, é uma das mais tradicionais da região e recebe até deputados e ministros de Estado. O prestígio de Mãe Railda a faz tornar a principal representante do candomblé no Distrito Federal, comparecendo em cerimônias oficiais que evoquem de uma forma ou de outra a cultura afro-brasileira.

Alfredo Gastal afirma que a edição do inventário é mais uma constatação de que "África e o Brasil têm laços culturais inegáveis, com importância não só na área religiosa, mas na arte, na culinária e no modo de pensar do brasileiro". Ele acrescenta que a divulgação do inventário dos terreiros existentes no Distrito Federal ajudará a reduzir o preconceito da sociedade em torno das religiões e rituais de matriz africana. "O estudo é uma forma de esclarecer quem nós somos. Não podemos aceitar no Brasil nenhum tipo de preconceito religioso, cultural ou racial. Somos feitos de uma mescla de gente de uma riqueza fantástica", conclui Gastal.

FONTES: IPHAN, BLOG ILLUSTRATUS.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…