Pular para o conteúdo principal

IPHAN LANÇA LIVROS SOBRE TERREIROS DE BRASÍLIA



Por Alexandre Figueiredo

Hoje, 28 de fevereiro, está prevista a cerimônia de lançamento do livro Inventário dos Terreiros do DF e Entorno - 1ª Fase, na Praça dos Orixás, na Prainha do Lago Sul de Brasília. O local é próximo à Ponte Costa e Silva, localizado no lado esquerdo da capital federal.

É bastante curioso pesquisar e analisar os terreiros de umbanda e candomblé no atual Distrito Federal, no ano dos seus 50 anos de existência, mostrando que a atual capital do país e suas áreas próximas também servem de cenário para uma das mais antigas expressões da cultura africana no Brasil.

O evento é iniciativa da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – Seppir e da 15ª Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, localizada no Distrito Federal (IPHAN-DF). O lançamento conta também com o apoio da Federação Espírita Brasiliense e do Entorno de Umbanda e Candomblé e do Foafro-DF.

O superintendente do IPHAN no Distrito Federal, Alfredo Gastal, disse que a preocupação da instituição com a preservação dos terreiros iniciou há 25 anos, com o tombamento, em Salvador (Bahia), de uma das mais antigas casas de candomblé no país, a Casa Branca. "Nós, brasileiros, tivemos influência europeia, asiática, mas a cultura negra permeou absolutamente todos os aspectos das nossas vidas. Não podemos ignorar a importância dessa contribuição", destaca o superintendente.

A publicação, organizada pelo próprio IPHAN, e terá distribuição gratuita nas bibliotecas, nos órgãos públicos e também entre pesquisadores e interessados pelo universo do Candomblé e da Umbanda. Durante a pesquisa, as equipes do Iphan identificaram e catalogaram 26 terreiros em várias cidades do Distrito Federal e do Entorno.

Por suas características que, durante muitos anos, não foram bem aceitas pela sociedade, as casas de culto afro-brasileiras costumam se localizar em lugares mais afastados e de difícil acesso, como, por exemplo, as chácaras situadas em áreas rurais. Todas essas casas realizam constantemente festas públicas, além de prestarem a qualquer interessado o serviço de aconselhamento espiritual particular.

Uma das tradicionais casas situadas no Distrito Federal é o terreiro Ilê Axé Opô Afonjá – Ilê Oxum, comandado por Railda Rocha Pitta, 72 anos — conhecida por todos como Mãe Railda. Fundado em 1972, foi construído em um amplo terreno em Valparaíso, a 45 quilômetros do centro de Brasília, por doação de um lote por um amigo pessoal de Mãe Railda.

O terreiro, que Mãe Railda concebeu por orientação de Mãe Menininha do Gantois, uma das maiores representantes femininas do candomblé, é uma das mais tradicionais da região e recebe até deputados e ministros de Estado. O prestígio de Mãe Railda a faz tornar a principal representante do candomblé no Distrito Federal, comparecendo em cerimônias oficiais que evoquem de uma forma ou de outra a cultura afro-brasileira.

Alfredo Gastal afirma que a edição do inventário é mais uma constatação de que "África e o Brasil têm laços culturais inegáveis, com importância não só na área religiosa, mas na arte, na culinária e no modo de pensar do brasileiro". Ele acrescenta que a divulgação do inventário dos terreiros existentes no Distrito Federal ajudará a reduzir o preconceito da sociedade em torno das religiões e rituais de matriz africana. "O estudo é uma forma de esclarecer quem nós somos. Não podemos aceitar no Brasil nenhum tipo de preconceito religioso, cultural ou racial. Somos feitos de uma mescla de gente de uma riqueza fantástica", conclui Gastal.

FONTES: IPHAN, BLOG ILLUSTRATUS.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…