Pular para o conteúdo principal

LEI DE ARQUEOLOGIA COMPLETA 50 ANOS


RODRIGO MELO FRANCO (E) ERA DIRETOR DO DPHAN QUANDO JÂNIO QUADROS SANCIONOU A LEI DA ARQUEOLOGIA.

Por Alexandre Figueiredo

Sem que o país se dê conta, era o último mês do governo Jânio Quadros. Mas a crise política já ocorria naquele julho de 1961, quando a política externa do então presidente da República, simpática aos países socialistas, destoava do perfil político conservador que o político representou na chapa que contou com o apoio da União Democrática Nacional.

Sem assumir uma postura política que o tornasse confiável a todos, Jânio já sofria as pressões do Congresso Nacional, que não apreciava sua estranha política, com mensagens escritas em bilhetes em vez de outras formas institucionalmente garantidas de anúncio de decisões governamentais.

Polêmicas à parte, no entanto, o governo Jânio Quadros, pelo menos, conseguiu promulgar a Lei 3924, de 26 de julho de 1961, que tornou-se conhecida como a Lei de Arqueologia. E que completa 50 anos este ano.

A lei, assinada pelo presidente Jânio Quadros, pelo então ministro da Educação e Cultura, Brígido Tinoco, pelo ministro da Justiça, Oscar Pedroso Horta, pelo ministro da Fazenda, Clemente Mariani e pelo ministro das Minas e Energia, João Agripino Maia (tio do hoje senador José Agripino Maia, do DEM), trata da questão dos sítios arqueológicos existentes no Brasil.

Nesta época o atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) era Departamento (DPHAN), mas seu diretor (cargo hoje correspondente ao presidente do instituto) era o fundador do antigo Serviço (SPHAN), o advogado e jornalista Rodrigo Melo Franco de Andrade.

Rodrigo já pensava na sua aposentadoria, mas a burocracia o impediu de conquistá-la nessa época. Mesmo assim, o diretor do DPHAN continuava batalhando pelo patrimônio histórico, e certa vez reagiu ao cancelamento do processo de tombamento da Santa Casa de Misericórdia de Campos dos Goytacazes, cidade do norte do Estado do Rio de Janeiro.

O casarão estava inscrito no Livro de Tombo Histórico do DPHAN e Rodrigo encaminhou ofício ao ministro Brígido Tinoco com um minucioso histórico sobre o lugar, além de apresentar argumentos sobre a ilegalidade da providência tomada por Jânio.

Em 1961, Rodrigo ainda seria homenageado em eventos como a VI Bienal de São Paulo, no Museu de Arte Moderna, e na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. A essas alturas Jânio não era mais presidente, e sim seu vice João Goulart, dentro do sistema parlamentarista governado pelo primeiro-ministro Tancredo Neves, conterrâneo de Rodrigo, ou seja, natural de Minas Gerais.

Atualmente, existem cerca de 22 mil sítios arqueológicos que estão no cadastro do IPHAN. Além disso, a Arqueologia é uma das áreas que tiveram cursos de ensino superior criados nos últimos anos pelas Universidades brasileiras.

No último dia 27, foi realizado, na sede da 6ª Superintendência Regional do IPHAN no Rio de Janeiro, um debate para lembrar os 50 anos da Lei da Arqueologia. Estiveram presentes Cláudia Carvalho, diretora do Museu Nacional e professora da UFRJ, Ondemar Dias Jr., presidente do Instituto de Arqueologia Brasileira/IAB, arqueóloga Maria da Conceição Beltrão e o superintendente do Iphan/RJ, Carlos Fernando Andrade.

Entre diversos assuntos, foram discutidos também problemas relacionados ao comércio ilegal de material pré-histórico existente no Brasil, além das políticas relacionadas à proteção do patrimônio arqueológico brasileiro.

FONTES: Blogue Vestígio Cultural, IPHAN.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

ANDRADE, Rodrigo Melo Franco de. Rodrigo e Seus Tempos: coletânea de textos sobre artes e letras. Rio de Janeiro: SPHAN/Pró-Memória, 1985.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…