Pular para o conteúdo principal

EXPOSIÇÃO NO PALÁCIO DO PLANALTO EXPRESSA DIVERSIDADE CULTURAL



Por Alexandre Figueiredo

No último dia 30 de setembro, foi inaugurada, no Palácio do Planalto, em Brasília, a exposição Bem do Brasil, em cerimônia aberta pelo presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Luiz Fernando de Almeida.

A mostra Bem do Brasil, Patrimônio Histórico Brasileiro, é uma realização do IPHAN e do Ministério da Cultura, com o patrocínio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e organizada pelo Centro Cultural do IPHAN no Paço Imperial (Rio de Janeiro) em colaboração com o Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular.

O evento, idealizado pelos curadores Lauro Cavalcanti e Victor Burton, se realiza aproveitando a reinauguração do pavimento térreo do Palácio do Planalto, que passou por reformas. A mostra, que reúne 150 obras selecionadas de museus e coleções particulares, juntando obras eruditas e populares, presta tributo a brasileiros notáveis ou anônimos que contribuíram, ao longo dos séculos, para o patrimônio histórico cultural do Brasil.

Sua concepção se deu pelo desafio de apresentar aos visitantes a diversidade dos acervos culturais, das artes sacras à cultura popular e erudita do país, de forma a estimular a reflexão e a apreciação da diversidade dos acervos culturais.

Os cenários da religiosidade do tema Brasil e seu Imaginário, considerado ponto de partida da exposição, são compostos por castiçais, oratórios mineiros e baianos, imagens de reis, santas e santos de igrejas de Pernambuco e de Sergipe, esculturas das Missões Jesuíticas no Rio Grande do Sul, ex-votos de romeiros do Ceará e cajados de Pai de Santo.

Em seguida, aparecem as cerâmicas indígenas do Espírito Santo, as carrancas do Velho Chico, a Cabeça Boi Tinga do Pará, as máscaras de Cavalhada de Goiás e bonecos do Jequitinhonha e os instrumentos do Tambor de Crioula do Maranhão, do Tambor de Jongo do Rio de Janeiro e da Viola de Cocho do Mato Grosso. São manifestações que informam os visitantes da sabedoria e do trabalho dessas obras, que são desvendados pela exposição através de formas de madeira utilizadas para preparar a rapadura da cana-de-açúcar, alambiques de cobre para destilar a cachaça e prensas de madeira usadas para o molde do queijo.

Além deles, aparecem também as obras de Taunay, Djanira, Guignard, Di Cavalcanti, Lasar Segall, Athos Bulcão e Mestre Valentim, expressões da diversidade cultural que, reunidas, evocam a evolução das políticas de preservação do patrimônio histórico realizadas desde os primeiros tempos do SPHAN até hoje.

A mostra fica em exibição no Palácio do Planalto até o dia 15 de novembro. Em dezembro, a exposição será realizada no Paço Imperial, no centro carioca, com o acréscimo de várias obras e com o uso de tecnologia moderna de linguagem, que envolve grafismo e projeção de imagem.

FONTES: IPHAN, Correio Braziliense.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…