Pular para o conteúdo principal

EXPOSIÇÃO NO PALÁCIO DO PLANALTO EXPRESSA DIVERSIDADE CULTURAL



Por Alexandre Figueiredo

No último dia 30 de setembro, foi inaugurada, no Palácio do Planalto, em Brasília, a exposição Bem do Brasil, em cerimônia aberta pelo presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Luiz Fernando de Almeida.

A mostra Bem do Brasil, Patrimônio Histórico Brasileiro, é uma realização do IPHAN e do Ministério da Cultura, com o patrocínio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e organizada pelo Centro Cultural do IPHAN no Paço Imperial (Rio de Janeiro) em colaboração com o Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular.

O evento, idealizado pelos curadores Lauro Cavalcanti e Victor Burton, se realiza aproveitando a reinauguração do pavimento térreo do Palácio do Planalto, que passou por reformas. A mostra, que reúne 150 obras selecionadas de museus e coleções particulares, juntando obras eruditas e populares, presta tributo a brasileiros notáveis ou anônimos que contribuíram, ao longo dos séculos, para o patrimônio histórico cultural do Brasil.

Sua concepção se deu pelo desafio de apresentar aos visitantes a diversidade dos acervos culturais, das artes sacras à cultura popular e erudita do país, de forma a estimular a reflexão e a apreciação da diversidade dos acervos culturais.

Os cenários da religiosidade do tema Brasil e seu Imaginário, considerado ponto de partida da exposição, são compostos por castiçais, oratórios mineiros e baianos, imagens de reis, santas e santos de igrejas de Pernambuco e de Sergipe, esculturas das Missões Jesuíticas no Rio Grande do Sul, ex-votos de romeiros do Ceará e cajados de Pai de Santo.

Em seguida, aparecem as cerâmicas indígenas do Espírito Santo, as carrancas do Velho Chico, a Cabeça Boi Tinga do Pará, as máscaras de Cavalhada de Goiás e bonecos do Jequitinhonha e os instrumentos do Tambor de Crioula do Maranhão, do Tambor de Jongo do Rio de Janeiro e da Viola de Cocho do Mato Grosso. São manifestações que informam os visitantes da sabedoria e do trabalho dessas obras, que são desvendados pela exposição através de formas de madeira utilizadas para preparar a rapadura da cana-de-açúcar, alambiques de cobre para destilar a cachaça e prensas de madeira usadas para o molde do queijo.

Além deles, aparecem também as obras de Taunay, Djanira, Guignard, Di Cavalcanti, Lasar Segall, Athos Bulcão e Mestre Valentim, expressões da diversidade cultural que, reunidas, evocam a evolução das políticas de preservação do patrimônio histórico realizadas desde os primeiros tempos do SPHAN até hoje.

A mostra fica em exibição no Palácio do Planalto até o dia 15 de novembro. Em dezembro, a exposição será realizada no Paço Imperial, no centro carioca, com o acréscimo de várias obras e com o uso de tecnologia moderna de linguagem, que envolve grafismo e projeção de imagem.

FONTES: IPHAN, Correio Braziliense.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…