Pular para o conteúdo principal

OBRAS RESTAURADAS DO MESTRE ALEIJADINHO SÃO EXPOSTAS AO PÚBLICO



Por Alexandre Figueiredo

O maior número de esculturas em madeira produzidos por Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, foram restaurados e estão em exposição pública desde o último dia 11. As obras estão localizadas na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar, na cidade de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG).

As peças, produzidas entre 1784 e 1786, foram guardadas em outra igreja, a de Nossa Senhora da Conceição do Jaguara, na cidade de Matosinhos, também da Grande Belo Horizonte, durante o período de restauração da Igreja Matriz em Nova Lima. O estado do acervo estava lastimável. As peças - quatro altares de cedro, dois púlpitos e uma tarja do arco-cruzeiro, a única que ainda apresenta policromia - estavam desmontadas, guardadas em péssimas condições e as interferências que sofreram causaram a perda das cores e do douramento original.

O trabalho de restauração custou R$ 587 mil e os investimentos contaram com a parceria entre o Ministério do Turismo e a Prefeitura de Nova Lima. A equipe foi integrada a professora Bethania Veloso, coordenadora da obra e diretora do Centro de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis (Cecor) da Escola de Belas Artes da UFMG, pela professora de restauração e conservação do Cecor/UFMG, Eliana Ambrósio, da especialista e coordenadora local Denise Mampert, do marceneiro José Antônio Torres, de quatro aprendizes do município e de auxiliares e estagiários. Durante os trabalhos de recuperação, a equipe descobriu preciosidades esquecidas no decorrer do tempo.

No altar dedicado à Nossa Senhora da Conceição, um sacrário até então pouco conhecido foi encontrado. Encobrindo a porta de madeira, há indícios prováveis que desde a década de 1930 existia um nicho que serviu de suporte para a instalação de uma imagem do Sagrado Coração de Jesus. A equipe também descobriu o segundo trono da santa, na área do mesmo altar, que tem pintura de mármore. No altar do Sagrado Coração de Jesus, também foi localizado o segundo altar do trono, que durante muito tempo especialistas julgaram desaparecido.

Registros históricos afirmam que as obras foram realizadas por encomenda de um fazendeiro da região, que era sonegador de impostos. Religioso, o fazendeiro decidiu investir na construção de uma igreja que fosse uma das mais belas, uma promessa feita para pagar seus pecados. Com isso, ele contratou Antônio Francisco Lisboa para realizar seu trabalho, no lugar mais sagrado do altar da igreja.

Em seu trabalho discreto, Lisboa deixou as iniciais do seu nome marcadas no sacrário. Os restauradores descobriram a assinatura e, assim registrada, a peça foi recolocada no mesmo esconderijo. "Agora ela está atrás do altar. E ela voltou ao seu lugar original. Escondida que a gente acredita que também é uma intenção do artista que ele não fosse identificado na confecção do altar", disse Bethania Veloso.

A equipe também constatou que parte do altar da igreja estava no lugar errado, devido a mudanças feitas por alguém que não conseguia alcançar a porta do sacrário durante a missa, uma pessoa de baixa estatura, provavelmente um padre, que teria mandado puxar o sacrário para a frente para atender essa necessidade específica.

Pouco antes dos trabalhos ficarem completos, a igreja matriz foi parcialmente liberada para o público assistir às missas. Mas, nessa fase, as missas dos fins de semana eram feitas na quadra de esportes, devido ao público ser maior. Mas agora, com os trabalhos completos, o público pode não apenas exprimir sua religiosidade, mas também contemplar o legado artístico do Aleijadinho, com as peças retomando as cores e o briho original.

FONTE: Portal G1/Globo, Portal Uai/O Estado de Minas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…