Pular para o conteúdo principal

CONSELHO CONSULTIVO DO IPHAN APROVA TODOS OS PEDIDOS DE TOMBAMENTO E REGISTRO

Última reunião do ano marca tombamento de dois centros históricos, um complexo ferroviário e o mais novo patrimônio imaterial do Brasil

São João del-Rei – MG, 3 de dezembro de 2009. A última reunião do Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, ocorrida hoje, na cidade mineira de São João del-Rei, acabou em festa. É que toda a população aguardava ansiosamente a decisão sobre o último item da pauta, que era o pedido de registro como patrimônio nacional do Toque dos Sinos em Minas, uma tradição que é muito forte na cidade.

Aprovação concedida, os sinos das igrejas começaram a tocar sua música. A partir de agora, o Toque dos Sinos em Minas Gerais, tendo como referência São João del-Rei e as cidades de Ouro Preto, Mariana, Catas Altas, Congonhas, Diamantina, Sabará, Serro e Tiradentes é o mais novo patrimônio imaterial brasileiro. Ele passa a integrar uma seleta e recente lista que vem protegendo as tradições e manifestações culturais do país.

A festa, porém, não ficou restrita a São João del-Rei. Outras três cidades também comemoram seus novos títulos, conferidos na mesma reunião do Conselho Consultivo. A primeira a festejar foi Paranaguá, primeira cidade do estado paranaense e segunda a ter seu centro histórico tombado. Logo em seguida foi a vez de Iguape, cidade do litoral paulista que já pleiteia o título desde a década de 1960. A terceira proposta analisada e aprovada foi a do tombamento do complexo ferroviário da Estada de Ferro Noroeste do Brasil – EFNOB, em Campo Grande – MS. A partir de agora, os três estão protegidos para preservar sua história e passam a obedecer as normas do Iphan, que não permite a descaracterização das áreas tombadas.



CENTRO HISTÓRICO DE IGUAPE

O núcleo urbano de Iguape, no Vale do Ribeira, está entre os mais bem preservados e caracterizados centros históricos de São Paulo, com arquitetura e urbanismo capazes de contar sua trajetória. A proposta de tombamento defendeu que a complexidade e a singularidade do patrimônio do Vale do Ribeira resultam da sua história, de seu povoamento, das estratégias e contingências econômicas, do território e das sociabilidades, que são sua paisagem cultural. A área tombada compreende o centro histórico, o antigo sistema portuário fluvial e marítimo, incluindo o Canal do Valo Grande e o Morro da Espia.



CENTRO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ

Para reconhecer a importância da primeira cidade do estado do Paraná, o Iphan tombou uma área que engloba todo o núcleo mais antigo da cidade, indo desde a Igreja de São Benedito, na rua Conselheiro Sinimbu até a rua Visconde de Nácar. O tombamento inclui importantes exemplares da arquitetura colonial brasileira, como a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, o Colégio dos Jesuítas, a Igreja da Ordem 3ª de São Francisco das Chagas, além da antiga Rua da Praia. É estabelecida ainda uma poligonal de entorno, como uma transição entre a área tombada e o restante da cidade, e onde estão situados outros exemplares arquitetônicos significativos para a história da cidade.



COMPLEXO FERROVIÁRIO DA ESTRADA DE FERRO NOROESTE DO BRASIL EM CAMPO GRANDE

O conjunto da EFNOB possui 22,3 hectares e 135 edifícios em alvenaria e madeira, erguidos em datas diferentes a partir da ampliação das atividades da ferrovia e ainda mantém parte dos trilhos que não foram retirados da área urbana de Campo Grande. O Complexo Ferroviário da EFNOB em Campo Grande é um documento vivo sobre o comportamento da sociedade local, retratando a estratificação das classes sociais e suas relações de trabalho. A poligonal de tombamento vai dos viadutos nas ruas Maracaju e Antônio Maria Coelho até o limite da área do complexo ferroviário junto à rua Eça de Queiroz, abarcando as residências dos da EFNOB, junto à rua 14 de Julho, seguindo até o córrego do Segredo que, durante anos, exerceu o papel de barreira natural à expansão da cidade na direção oeste.



O TOQUE DOS SINOS DAS MINAS GERAIS

A importância de se registrar o Toque dos Sinos em Minas Gerais está não só na beleza e na tradição dessa manifestação cultural, mas também na avaliação feita pelo Iphan de que essa tradição pode se perder. Os sinos vêm sendo substituídos por instrumentos eletrônicos devido às dificuldades para a manutenção. Segundo a CNBB, o custo é elevado e exige a disponibilidade de uma ou mais pessoas para tocar os sinos sempre que necessário.

Outro aspecto que chama a atenção para a necessidade de proteção desse bem cultural é o registro de grande número de sinos rachados, sem badalo ou sem local apropriado para serem instalados. Entretanto, apesar de toda a dificuldade, o Iphan afirma que o toque dos sinos ainda está presente e sua relação com a população das cidades inventariadas reforça a necessidade de reconhecimento desse bem como patrimônio.

Ainda hoje, nas cidades inventariadas, os toques são religiosos e têm finalidade social e, até mesmo, de defesa civil. Com sinais bem característicos, os nomes dos toques dos sinos, principalmente os repiques, foram criados pelos sineiros ainda no tempo colonial e preservados na tradição oral. Alguns dos toques mais conhecidos são: Ângelus, A Senhora é Morta, Toque de Cinzas, Toque de Finados, Toque de Passos, Toques de Te Deuns, Toques Festivos, Toque de Parto, Toque de Missas, Toque de Natal, Toque de Ano Novo.

O CONSELHO CONSULTIVO DO PATRIMÔNIO CULTURAL

O Conselho que avalia os processos de tombamento e registro, presidido por Luiz Fernando de Almeida, presidente do Iphan, é formado por especialistas de diversas áreas, como cultura, turismo, arquitetura e arqueologia. Ao todo, são 22 conselheiros, que representam o Instituto dos Arquitetos do Brasil – IAB, o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios – Icomos, a Sociedade de Arqueologia Brasileira – SAB, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama, o Ministério da Educação, o Ministério das Cidades, o Ministério do Turismo, o Instituto Brasileiro dos Museus – Ibram, a Associação Brasileira de Antropologia – ABA, e mais 13 representantes da sociedade civil, com especial conhecimento nos campos de atuação do Iphan.

Mais informações:
Assessoria de Comunicação Iphan/Monumenta
Adélia Soares – adelia.soares@iphan.gov.br
Ana Rosa Saraiva – ana.saraiva@iphan.gov.br
Gabriela Coelho – gabriela.coelho@iphan.gov.br
(61) 3414.6187 / 3326-6864
www.iphan.gov.br / educacaopatrimonial.wordpress.com / @IphanGovBr

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…