Pular para o conteúdo principal

CAPOEIRA TORNA-SE PATRIMÔNIO CULTURAL DO BRASIL



Por Alexandre Figueiredo

O Conselho Consultivo do IPHAN, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, declarou que a capoeira é agora um patrimônio cultural do Brasil. Em votação realizada em Salvador, Bahia, no dia 15 de julho de 2008, o Conselho Consultivo do IPHAN, composto de 22 membros, entre representantes de entidades culturais e da sociedade civil, concluiu-se o processo de registro da capoeira, que durou dois anos.

O ato do registro foi feito em presença do ministro interino da Cultura, Juca Ferreira, do governador da Bahia, Jacques Wagner, do presidente do IPHAN, Luís Fernando de Almeida, do presidente da Fundação Palmares (órgão do Ministério da Cultura destinado às manifestações afro-brasileiras), Zulu Araújo, dos embaixadores da Nigéria e do Senegal e de autoridades locais.

No evento, Luís Fernando de Almeida anunciou a inclusão, no Livro de Saberes, do ofício dos mestres de capoeira. É por causa do empenho deles em difundir a capoeira que ela se tornou conhecida, apreciada e praticada em diversos países do mundo. A atividade foi implementada e sua habilidade de ensino reconhecida em 150 países.

A capoeira é uma atividade cultural mista. É, ao mesmo tempo, uma coreografia e uma luta. É usada tanto como forma de defesa quanto como recreação. Sua prática, além disso, inclui música, seja ela cantada, tocada ou as duas coisas, com instrumentos percussivos ou então apenas com o berimbau e o ritmo de palmas de quem assiste à luta. Sua origem ainda não tem data conhecida, mas os primeiros registros de que se tem conhecimento são do século XVIII, em território brasileiro. As cidades onde a capoeira teria surgido são Salvador, Recife e Rio de Janeiro.

A transformação da capoeira em patrimônio cultural, segundo Juca Ferreira, foi uma reparação histórica a esta atividade. Diz ele: "Nós estávamos devendo isso aos mestres de capoeira, responsáveis por uma das manifestações mais plurais e brilhantes de nossa cultura". Durante muitos anos, a capoeira era vista como prática subversiva ou como ato de violência, e a atividade era duramente reprimida pela polícia. A capoeira chegava a ser praticada por muitos adeptos às escondidas. A luta chegou a ser extinta no Rio de Janeiro e em Recife. No Rio, os grupos de capoeiristas eram conhecidos como "maltas". Na capital pernambucana, os passos de capoeira influenciaram a dança do frevo, outra atividade transformada em patrimônio cultural.

A exemplo do samba, que também é hoje patrimônio cultural, quando as escolas de samba surgiram para provar à sociedade de que não se tratava de atividade nociva à sociedade, a capoeira também teve campanha semelhante. Em 1932, em Salvador, o capoeirista Manuel dos Reis Machado, conhecido como Mestre Bimba, fundou a primeira academia de capoeira no Brasil. Mestre Bimba inseriu elementos das lutas orientais na prática da capoeira, que, através desse hibridismo, desenvolveu uma técnica que veio a ser definida como "capoeira regional".

Outro capoeirista, Vicente Joaquim Ferreira, o Mestre Pastinha, não seguiu a orientação de Bimba, preferindo o método tradicional da malícia, conhecido como Capoeira Angola. O Mestre Pastinha teve sua academia de capoeira, também em Salvador e fundada em 1941, como a primeira legalizada oficialmente pelo governo da Bahia.

No ato de votação, diversos grupos capoeiristas compareceram para acompanhar o evento. Diante do Palácio Rio Branco, no Centro de Salvador, esses grupos realizaram uma grande roda de capoeira, para comemorar o novo status dado à luta. No Teatro Castro Alves, também na capital baiana e localizado defronte ao Campo Grande, foi realizado um evento musical com a participação do percussionista Naná Vasconcelos e de artistas como Roberto Mendes, Mariene de Castro e o também percussionista Wilson Café. Naná Vasconcelos, pernambucano, ampliou as possibilidades musicais do berimbau. Ele, junto a Gilberto Gil, idealizou o PercPan, festival de música percussiva que se realiza anualmente na capital baiana.

Um dossiê contendo o histórico do processo de pesquisa, avaliação e registro da capoeira mostra a síntese do que foi feito. As pesquisas, iniciadas em 2006, tiveram a participação de estudiosos das Universidades Federais da Bahia (UFBA), Rio de Janeiro (UFRJ), Fluminense (UFF) e Pernambuco (UFPE). As três capitais onde a capoeira poderia ter surgido serviram de locais de pesquisa. Também foram visitados lugares onde havia documentação sobre essa atividade.

FONTES: IPHAN, Fundação Palmares, Wikipedia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…