Pular para o conteúdo principal

LITERATURA DE CORDEL É PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO


Por Alexandre Figueiredo

A Literatura de Cordel, tradicional manifestação popular de origem portuguesa, tornou-se Patrimônio Cultural Brasileiro. A decisão foi tomada no último dia 19 de setembro, pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Histórico, colegiado comandado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), na pessoa da presidente Kátia Bogéa.

O colegiado decidiu pelo tombamento por unanimidade, em reunião realizada no Forte de Copacabana e que contou com a presença do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão e do presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, Gonçalo Ferreira.

A Literatura de Cordel é uma atividade artística que prioriza a produção de textos poéticos, com mensagens simples que servem muitas vezes não só como expressão de poesia, mas também como textos informativos, comentando os fatos do dia e homenageando datas. Em muitos casos, também se narram obituários, homenageando o morto da ocasião.

Eventualmente, textos de prosa também são lançados. Com o tempo, a atuação tornou-se mais diversificada, sem no entanto sair da essência dessa arte impressa. Temáticas das mais diversas iam desde a crônica cotidiana até a expressão de lendas, desejos amorosos e sátiras humorísticas

O formato geralmente é de pequenas revistas ou livretos, organizadas manualmente pelo seu autor, com ilustrações simples na maioria de preto e branco, com uma concepção artística peculiar. Poetas, declamadores, editores, ilustradores (desenhistas, artistas plásticos, xilogravadores) e folheteiros, estes os comercializadores destas publicações.

O cordel foi introduzido na cultura brasileira no começo do século XIX. O gênero literário começou como uma manifestação artística específica no Norte e Nordeste brasileiros, principalmente nas cidades do interior. Em áreas pobres, chegam a atuar quase como veículos informativos, como os jornais, em comunidades onde ainda não se chegavam os veículos da imprensa escrita. Os livros são geralmente vendidos em pequenas barracas, pendurados por grampos de varal.

A manifestação mais típica da literatura de cordel é a sextilha poética, na qual o esquema de rimas de cada verso, em estrofes de seis versos cada, se distribuía no esquema ABCBDB. Essa poética também influenciava os cantos da poesia de cordel interpretados pelos músicos repentistas, declamadores que, de início, surgiram como divulgadores dessas revistas, usando um meio criativo de atrair compradores.

A Literatura de Cordel se ampliou em várias partes do Brasil. Atualmente, essa manifestação artística se encontra em Estados como Paraíba, Pernambuco, Ceará, Maranhão, Pará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo. Em Niterói, há uma barraca de Literatura de Cordel exposta todos os fins de semana, de manhã, no Campo de São Bento.

FONTES: IPHAN, Info Escola, Folha de São Paulo, Agência Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…