Pular para o conteúdo principal

FIM DA MPB FM E O REFLEXO DA CRISE CULTURAL NO BRASIL

O SAMBISTA DIOGO NOGUEIRA NO ANÚNCIO DA MPB FM.

Por Alexandre Figueiredo

O comercialismo cada vez mais monopolista da música brega-popularesca, o "popular" comercial da música brasileira, foi favorecido no final de janeiro passado. A repentina saída da MPB FM, substituída por uma repetidora da Band News FM, causou muita indignação e deixou uma lacuna irreparável no rádio do Rio de Janeiro.

A situação já não era boa. A MPB FM não tinha uma programação ousada. Era a única rádio no setor, e antes eram duas. Mas a Nova Brasil FM saiu do ar para dar lugar à Rádio Globo que, saindo da frequência 89,5, abriu espaço para a religiosa Feliz FM.

Com o fim da MPB FM, a única maneira de ouvir MPB no rádio é sintonizando as rádios de pop adulto, que, todavia, têm que repartir as canções brasileiras com sucessos do pop estrangeiro. Fora isso, é aceitar resignadamente que a música brega-popularesca é "MPB", como desejam as elites intelectuais do Brasil, e esperar que um ídolo do ramo grave uma cover de uma canção emepebista, que fica a dever diante das gravações originais.

Infelizmente, num Rio de Janeiro tomado de crise não apenas de segurança, administração e finanças, mas também uma crise social sem precedentes no Estado - hoje sucumbido a um provincianismo inimaginável em terras fluminenses - , o rádio tornou-se referência para pautar o gosto musical das pessoas.

Diante do desempenho sofrível da Rádio Cidade como "rádio rock", pela própria mentalidade hit-parade que contribuiu para o fracasso da experiência, houve, entre os cariocas, a aberração dos "fãs de uma música só", pessoas que dizem gostar de uma banda e se contentam em ouvir um único sucesso. Como, no caso do AC/DC, a música "Back in Black".

Se isso ocorre entre os cariocas ditos "antenados", imagine diante do sumiço da MPB nas rádios. Com o crescimento da música brega-popularesca em níveis preocupantes, submetendo a música brasileira a um comercialismo voraz e, não raro, subordinado às fórmulas e regras do pop estadunidense.

Há quem diga que o fim da MPB FM é estratégico, num período que antecede o Carnaval. A medida, aparentemente fruto de reestruturação empresarial - o Grupo Bandeirantes, dono da Band News, adquiriu controle total dos 90,3 mhz - , no entanto, permitiu para que o "sertanejo universitário", o "funk" e até mesmo a axé-music, ganhassem tempo para dominar o gosto juvenil, mesmo das classes mais abastadas.

Curiosamente, a axé-music anda decaindo em Salvador, com inúmeros escândalos envolvendo não só o grupo de elite do Carnaval baiano, mas também seus derivados mais "populares" como o "pagodão" e o arrocha. Denúncias de irregularidades trabalhistas, acusações de estupro e até sonegação de IPVA sobre automóvel importado desgastaram os vários ídolos da música comercial baiana.

Com esta crise, o comercialismo musical baiano já começa a se "redistribuir" para São Paulo e Rio de Janeiro, neste caso "coexistindo" com o "funk", havendo até mesmo duetos entre seus intérpretes. Há também a formação de uma "panela" de ídolos brega-popularescos: Anitta, Luan Santana, Nego do Borel, Wesley Safadão, Marília Mendonça, entre outros que dominam o mercado.

Apesar dos "bons ventos" da chamada música de sucesso no Brasil, o que se vê é uma crise cultural, pois o que prevalece são intérpretes comerciais sem um compromisso real com o patrimônio musical brasileiro. São nomes que não representam renovação, até porque o que produzem não é arte musical, mas sucessos comerciais para serem tocados na grande mídia e seguem fórmulas de mercado.

Evidentemente, a blindagem intelectual tenta dar um status pretensamente nobre aos ídolos brega-popularescos, como se eles fossem a "outra face da MPB autêntica". Algo que pode parecer uma "ruptura de preconceito", mas representa a legitimação de um comercialismo voraz que acaba ofuscando as verdadeiras e, sim, realmente autênticas, expressões de nossa música, que cada vez mais perdem mais e mais espaços.

Com um Estado do Rio de Janeiro em crise de valores e sem espaços de ampla visibilidade na divulgação da MPB autêntica, os fluminenses veem a região do Grande Rio perder a imponência que havia na difusão da música brasileira de qualidade. Cada vez mais o Rio de Janeiro acaba se tornando apenas mais um mercado para os empresários do entretenimento musical dito "popular", que apenas produz sucessos radiofônicos e não valores musicais sólidos e expressivos.

FONTES: UOL, Quem Acontece, Caras, Blogue Fatos & Milongas, Tudo Rádio, Carta Capital.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…