Pular para o conteúdo principal

FRESCOBOL É CONSIDERADO PATRIMÔNIO IMATERIAL DO RJ


Por Alexandre Figueiredo

O Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH) declarou, há duas semanas, que o frescobol, esporte que se destaca nas praias do Rio de Janeiro e também em outras cidades litorâneas, passou a ser considerado Patrimônio Imaterial do Rio de Janeiro. O título celebra as comemorações dos 450 anos da cidade mundialmente conhecida por suas praias.

Segundo o Instituto, o esporte é considerado parte do estilo de vida do povo carioca e também uma das práticas associadas à paisagem cultural da cidade do Rio de Janeiro. O reconhecimento permitirá a valorização da modalidade esportiva, antes vista com estranheza por ser praticada na areia rasa da praia, junto à água do mar ou da Baía, no caso de outras praias, como Icaraí, em Niterói.

A origem do frescobol remete a 1945, na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Seu inventor foi o paraense Lian Pontes de Carvalho, que morava na Av. Atlântica na esquina com a Rua Duvivier, na área conhecida como Lido.

Ele começou a prática de uma espécie de tênis praticado na praia. O reduto era o Posto 2,5 na Praia de Copacabana. Apesar do esporte ser um sucesso e atrair a curiosidade das pessoas, as raquetes pereciam com frequência, devido ao efeito da maresia.

Vendo essa limitação, já na década de 1950, o arquiteto Caio Rubens Romero Lyra, morador da Rua Bulhões Carvalho, no lado do Arpoador, decidiu pedir a um amigo carpinteiro construir raquetes de madeira, material mais resistente à água do mar. O carpinteiro trabalhava na própria cada, na Rua Sousa Lima, também em Copacabana.

Até essa época, o frescobol não tinha esse nome. Ele era conhecido apenas como "tênis de praia", e sua prática na beira da água causa polêmica, por oferecer risco à segurança de caminhantes e banhistas. Recentemente, existem cursos de frescobol realizados na proximidade dos calçadões, tendo até quadras armadas na areia.

O nome frescobol teria sido dado, de forma brincalhona, por um de seus praticantes em 1958, o humorista Millôr Fernandes, que naquela época fazia muito sucesso com suas páginas da coluna O Pif-Paf, da revista O Cruzeiro. Era uma forma de definir o pingue-pongue de praia como um esporte de "fresco", termo que tem o mesmo sentido de "maricas".

Mesmo assim, o nome pegou e, em 1994, foi realizado o primeiro campeonato profissional de frescobol. O regulamento oficial, no entanto, só veio em 2003. O IRPH se baseou em um vídeo feito por profissionais e especialistas em frescobol para fazer as pesquisas que resultaram no novo status.

Através das pesquisas, o IRPH enumerou os principais lugares onde o esporte é praticado no município do Rio de Janeiro: Ilha do Governador (Praia da Bica), Praia do Flamengo, Praia de Copacabana (Santa Clara e Bolívar), Praia do Diabo (Arpoador), Barra da Tijuca (Pepê e Posto 7) e Recreio dos Bandeirantes (Posto 9).

FONTES: O Dia, Portal G1, Wikipedia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…