Pular para o conteúdo principal

RITMO PARAENSE, CARIMBÓ É DECLARADO PATRIMÔNIO CULTURAL DO BRASIL


Por Alexandre Figueiredo

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) aprovou, por unanimidade, o reconhecimento do carimbó, ritmo folclórico do Pará, como patrimônio cultural do Brasil.

A decisão foi feita hoje de manhã durante a 76a. reunião do Conselho Consultivo, na sede do IPHAN, em Brasília. Estavam presentes todos os 22 conselheiros que aprovaram o projeto e cujo parecer foi lido pela relatora do registro, a antropóloga Lúcia Velthem.

Afirmando a importância regional do carimbó para o povo paraense, Lúcia declarou também que o carimbó passa a ter seu valor simbólico representado também em todo o país, permitindo sua divulgação fora do território paraense.

Com a aprovação do registro do carimbó como patrimônio nacional, todas as suas formas nos aspectos cultural, artístico, ambiental, social e histórico e suas relações com a região amazônica passam a fazer parte do Livro de Registro das Formas de Expressão, um dos vários livros que registram as manifestações artísticas e culturais do país.

"O Estado, junto com os detentores desta prática, é agora um parceiro na manutenção, na salvaguarda e na vitalidade desse bem. Eu acho que, tanto quanto o reconhecimento do Carimbó, potencialmente beneficia os detentores, beneficia sobretudo o país, que pode se reconhecer, nesse amplo território, em valores culturais que representam sua unidade", declarou a presidenta do IPHAN, Jurema Machado, a respeito da importância da diversidade cultural no país.

Representantes de comunidades carimbozeiras e artistas tradicionais ligados ao ritmo estiveram presentes na reunião e fizeram declarações celebrando o seu reconhecimento pelo IPHAN. O Conselho Consultivo é composto por membros de várias entidades ligadas ao patrimônio e meio-ambiente, sob a presidência do titular do IPHAN, no caso Jurema Machado.

As entidades envolvidas são: Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), Conselho Internacional de Monumentos e Sítios - Icomos, Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Ministério da Educação, Ministério das Cidades, Ministério do Turismo, Instituto Brasileiro dos Museus – Ibram, Associação Brasileira de Antropologia – ABA e treze membros da sociedade civil.

O carimbó, de origem indígena, surgiu através da corruptela do nome do tambor utilizado para o ritmo, o "korimbó", termo de origem Tupi. O tambor é feito de madeira oca e coberto, numa de suas extremidades, de pele de couro de veado. Com o tempo, o tambor deu nome ao ritmo e à dança praticados a partir desse instrumento.

Quanto à expressão coreográfica, o carimbó envolve passos caraterísticos de casais de dançarinos, que usam um figurino peculiar de estampas vibrantes e cujas mulheres se destacam pelas saias rodadas. Além do tambor do carimbó, outros instrumentos são tocados, como banjo e chocalhos.

O anúncio foi transmitido, no mesmo dia, durante uma cerimônia realizada na Fundação Centro Cultural do Pará Tancredo Neves, conhecido como Centur, que contou com a presença da ministra da cultura, Marta Suplicy, que pretende também tornar o carimbó reconhecido como patrimônio internacional.

"O carimbó é uma manifestação que tem capilaridade no Pará, mas que agora não será mais só do Estado, e sim, do Brasil todo. Com a chancela de hoje, temos como gestores a obrigação de manutenção e preservação desse bem cultural. O próximo passo é levar para apreciação na Unesco para ter uma chancela internacional, como foi feito como frevo", declarou a ministra.

FONTES: IPHAN, Portal G1.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…