Pular para o conteúdo principal

IBRAM COMPLETA DUAS SEMANAS COM NOVO PRESIDENTE



Por Alexandre Figueiredo

O Instituto Brasileiro de Museus, autarquia vinculada ao Ministério da Cultura, funciona há pouco mais de três anos, depois que foi formalmente fundada em 2009. Formou seu primeiro quadro de servidores concursados há pouco mais de dois anos, e agora o IBRAM experimenta seu novo presidente, o jornalista e advogado Ângelo Oswaldo.

Ãngelo Oswaldo tem experiência com o patrimônio histórico em Minas Gerais por ter sido prefeito de Ouro Preto em três mandatos (1993-1996; 2005-2008; 2009-2012), tendo sido também secretário de Cultura do governo estadual entre 1999 e 2002 e, entre 1985 e 1987, foi presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Antes de Oswaldo, o IBRAM era presidido por José do Nascimento Júnior, que havia sido diretor do Departamento de Museus e Centros Culturais do IPHAN (DEMU). Na verdade, o IBRAM havia sido uma transformação do DEMU em uma entidade independente do IPHAN, para evitar a sobrecarga de atribuições deste instituto.

Afinal, o setor de museus, que inclui também a Museologia, ciência que trata dos museus e das formas de conservação e restauração de bens materiais, já enfrentava problemas e desafios que tornaria mais penoso o trabalho do IPHAN, pelo aumento de compromissos que este possui.

Nos últimos anos, devido à regulamentação do patrimônio cultural imaterial pelo Decreto 3551, de 04 de agosto de 2000, o IPHAN passou a dar ênfase nesse tema, sem deixar de se responsabilizar pelo patrimônio material e outras atribuições que exercia desde seus primórdios em 1937.

Daí a necessidade do surgimento do IBRAM, como um outro órgão responsável pelos bens históricos, mas dentro do âmbito dos museus e dos trabalhos museológicos. A ideia de manter o comando do diretor do DEMU, Nascimento Júnior, como primeiro presidente do IBRAM, foi uma forma de promover a reestruturação do órgão na atual autarquia.

Era um trabalho de transição, de transformação de um departamento num órgão autônomo, e de iniciação de seus trabalhos como uma instituição especializada. Daí que a administração de José do Nascimento Júnior, para a lógica da instituição, serviu para garantir a continuidade de trajetória entre o antigo DEMU e o atual IBRAM.

Correram boatos de que José do Nascimento Júnior tenha sido demitido por causa de divergências com a atual ministra da Cultura, Marta Suplicy. Em entrevista ao jornal O Globo, Nascimento Júnior, que é antropólogo paulistano, desmentiu os rumores e afirmou que sua demissão foi um consenso no conselho da instituição.

Na entrevista, Nascimento Júnior apontou algumas realizações sob seu comando: entre outras coisas, elevação para 1.000% o dinheiro financiado para os museus, aumento de visitantes de museus em 460% em relação a 2003 e o aumento de dois para 14 o número de cursos de Museologia no Brasil.

Entre as atividades pendentes, o ex-presidente do IBRAM aponta a necessidade de baixar para zero o valor de impostos de exportação e importação de obras de arte que já havia reduzido, tempos atrás, para 4%, e a integração entre museus e Internet através do projeto Acervo em Rede.

O Acervo em Rede é uma das iniciativas associadas ao Sistema Nacional de Museus, plano que o atual presidente pretende consolidar, ampliando o número de museus cadastrados no sistema. Oswaldo também pretende fortalecer a visitação de turistas nos museus brasileiros, e, sem dar detalhes, disse que o Ministério da Cultura irá em breve anunciar um grande investimento neste sentido.

A nomeação de Oswaldo para a presidência do IBRAM foi publicada no último dia 09 no Diário Oficial da União. Em seu currículo, além das funções acima citadas, ele também integrou o conselho consultivo do IPHAN, entre 1994 e 2002, e os conselhos da Fundação de Arte de Ouro Preto e do departamento de Patrimônio Cultural da Prefeitura de Belo Horizonte.

FONTES: O Globo, Ibram.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…