Pular para o conteúdo principal

ANTIGO MUSEU DO ÍNDIO E A BRIGA JUDICIAL ENTRE GOVERNO E ÍNDIOS

SOLIDÁRIO COM OS MOVIMENTOS SOCIAIS, O CARTUNISTA CARLOS LATUFF FEZ ESTE DESENHO EM PROTESTO CONTRA O ARBÍTRIO DAS AUTORIDADES CARIOCAS.

Por Alexandre Figueiredo

Um dos problemas causados pelo grupo político do governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, e do prefeito de sua capital, Eduardo Paes, é o desrespeito às leis e ao interesse público na hora de fazer prevalecer seus projetos políticos.

Apegados a um modelo de urbanismo ao mesmo tempo surreal e sensacionalista, Paes e Cabral Filho se baseiam numa interpretação pedante e oportunista das caraterísticas urbanas de Barcelona, cidade espanhola da qual se inspiram para estabelecer uma paisagem de mercado para o município do Rio de Janeiro.

Essa concepção um tanto equivocada já causou vários problemas, como o desprezo ao patrimônio histórico carioca que causou vários desastres no centro carioca. Houve até mesmo um princípio de incêndio na Biblioteca Nacional, que felizmente foi controlado a tempo de não comprometer sua estrutura.

A falta de fiscalização e orientação adequadas fez com que houvesse uma trágica explosão em um restaurante na Praça Tiradentes e o desabamento de um edifício próximo à Cinelândia, ambos com mortes. O primeiro, por estoque irregular de gás de cozinha, o segundo por obras que afetaram a estrutura do prédio.

Desta vez, Paes e Cabral Filho decidiram demolir o edifício do antigo Museu do Índio, desativado desde 1979. Ignorando o parecer do Conselho de Patrimônio do município, os dois decidiram pela divulgação de um despacho no Diário Oficial autorizando as obras de demolição do local e anunciando até a responsável pelas obras, a Copec Construções e Locações, designada a demolir o prédio no prazo de um mês.

No entanto, o Ministério Público Federal lançou um recurso na Justiça Federal para impedir a realização das obras. No local do antigo Museu do Índio, vivem 23 tribos indígenas, que se mobilizam para permanecer no local onde ocupam desde 2006, com o objetivo de recuperar o museu.

A medida de Paes, respaldada por Cabral Filho, contraria o parecer do Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural, que por unanimidade de seus membros, decidiu que o antigo Museu do Índio está impedido de ser demolido, por ser um prédio de reconhecido valor histórico.

Embora Paes possa ser autorizado a acatar ou não o parecer do conselho, este parecer se baseia em um decreto de 2001, para o qual atribui a decisão do Conselho de Patrimônio sobre a demolição ou não de edifícios construídos no Rio de Janeiro antes de 1937.

Sem esperar qualquer decisão final da Justiça, o governador Cabral Filho ordenou, no último sábado, uma ação policial de despejo dos índios e outros ocupantes do local, causando um confronto que durou nove horas. Sem conseguir despejar os índios, os policiais se retiraram por volta de 19:30, no começo da noite.

A Defensoria Pública do Rio de Janeiro, através da pessoa do defensor André Ordacgy, já havia impedido a execução da demolição, através de uma ação liminar, em dezembro passado. Ele entrou hoje com uma outra ação na Justiça Federal para impedir a demolição, e pretende também entrar com uma representação na Comissão Internacional de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA).

A representação na OEA tem por objetivo pedir para que a organização avalie a situação e possa realizar uma intervenção, evitando que, com o despejo e a demolição, as tribos indígenas sejam deixadas à própria sorte, sem um lugar para viverem.

Segundo a ação do MPF, o IPHAN também contesta a decisão dos governantes municipal e estadual. O arquiteto Carlos Fernando de Andrade, ex-superintendente do instituto no Rio, embora admita que a preservação do patrimônio histórico nem sempre garante recursos para preservá-lo, admite que o antigo Museu do Índio possui significativo valor histórico.

EQUÍVOCO - O governador Sérgio Cabral Filho quer construir, no local, além da ampliação da saída de torcedores do Estádio Mário Filho, o Maracanã, um estacionamento e um centro de compras no entorno do antigo museu.

Numa atitude equivocada, Cabral Filho afirmou que as obras obedecem as exigências da Fifa para a urbanização de cidades e modernização dos estádios esportivos. No entanto, a Fifa já havia enviado um comunicado dizendo que a preservação do terreno do antigo Museu do Índio está de acordo com as suas exigências, negando ter autorizado a demolição.

Até mesmo o orçamento das obras de demolição e construção das novas obras foi feito, assim como a licitação para a empresa realizadora das obras. O orçamento está estimado em R$ 586 mil e as obras estão previstas para serem realizadas antes da Copa das Confederações.


Já os indígenas pretendem criar, no local, um centro de memória e cultura indígena chamado Aldeia Maracanã. Aliás, a palavra Maracanã é de origem indígena, sendo uma expressão tupi-guarani que significa "semelhante a um chocalho". É também o nome dado a um tipo de papagaio.

Ironicamente, um dos ídolos mais populares do futebol brasileiro, o jogador Neymar, é de ascendência indígena. E, para um evento como a Copa do Mundo, destinado a valorizar o Brasil, é um péssimo exemplo de Eduardo Paes e Sérgio Cabral Filho contra os primeiros ocupantes do nosso país, numa atitude de total respeito à democracia, ao patrimônio histórico e até mesmo à legitimidade das leis.

FONTES: Portal G1, Portal R7, Suderj.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…