Pular para o conteúdo principal

TERRA NATAL DO EX-PRESIDENTE DEODORO É TOMBADA



Por Alexandre Figueiredo

No último dia 17 de agosto, Dia do Patrimônio Nacional, a cidade de Marechal Deodoro, no Estado de Alagoas, foi a 62ª cidade a se tornar patrimônio histórico por iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Duas semanas antes da cerimônia de tombamento, no dia 03 de agosto, foi aprovada a sua homologação, no Rio de Janeiro, pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do IPHAN.

A cidade foi fundada no século XVII, no ano de 1611. Sua história remete aos tempos do Brasil-colônia, quando o município foi construído pelos portugueses para evitar que o pau-brasil, tipo de árvore existente na região, fosse roubado e contrabandeado. A cidade se originou de um dos primeiros núcleos para onde o donatário da capitania de Pernambuco, Duarte Coelho Pereira, enviou colonos, logo após a sua posse na capitania, em 09 de março de 1535.

Segundo o historiador João Alberto Ribeiro, vestígios da localidade já deveriam existir em 1591, à margem da lagoa Manguaba. O núcleo teria sido construído depois que os portugueses tomaram a área dos índios Caetés. A existência do núcleo se infere de uma escritura pública de 05 de agosto daquele ano, pela qual o procurador e sobrinho do donatário, Jorge de Albuquerque Coelho, fez a Diogo de Mello Castro a doação de dez léguas de terras ao longo da costa, sendo três às margens da lagoa, para o sul e para o norte, e sete para o sertão. No entanto, parece não ter sido possível a fundação, na época, do povoado.

Em 1611, Diogo Soares da Cunha realizou uma nova doação, através de escritura, da área destinada à fundação do povoado, de acordo com o que registrou Pedro Paulino no Dicionário Histórico e Geográfico. É a fundação oficial da cidade, sob o nome de Povoado de Madaglena de Sumaúna. Em 1633, a cidade foi saqueada e incendiada por invasores holandeses. O povoado foi elevado a vila em 12 de abril de 1636.

Posteriormente, o lugar recebeu o nome de Vila de Santa Maria Madalena da Lagoa do Sul. Depois, foi renomeada Vila das Alagoas, ou apenas Alagoas, até ganhar o nome atual, em homenagem ao militar que, no dia 15 de novembro de 1889, se tornou o primeiro presidente da República do Brasil. O município fica a 21 km a sudoeste de Maceió e está situado nas margens da lagoa Manguaba. A cidade tem hoje cerca de 42 mil habitantes.

A cidade foi durante algum tempo capital da então recém-criada província das Alagoas, a partir de um alvará régio de 16 de setembro de 1817, que estabeleceu a criação da Província de Alagoas, decreto ratificado por outro de 12 de janeiro do ano seguinte. A cidade de Alagoas foi capital da província até o ano de 1839, quando o posto foi transferido para a cidade de Maceió, a atual capital. Maceió teve origem no século XVII, com escritura também de 1611, referente a um engenho de açúcar localizado à margem do riacho "Massayó". No entanto, a cidade que hoje se chama Marechal Deodoro faz parte da Região Metropolitana de Maceió.

A iniciativa do tombamento teve origem num abaixo-assinado movido pela museóloga Célia Paiva - que foi presidente do Museu de Arte Sacra do município - , em prol da preservação do patrimônio histórico local. As assinaturas começaram a ser colhidas em 1995, doze anos após a mesma cidade ter sido reconhecida como patrimônio histórico estadual. O abaixo-assinado foi entregue ao IPHAN e o processo de tombamento se iniciou em 1997, quando a instituição recebeu um dossiê com referências da cultura do município e um inventário do patrimônio histórico local.

Este patrimônio apresenta alguns monumentos e prédios construídos nos séculos XVII e XVIII, como o Largo do Pelourinho, o Oratório da Forca - local onde os condenados ao enforcamento realizavam suas últimas orações - , o convento de São Francisco, cuja construção se deu entre os anos de 1684 e 1689 e que hoje se situa o Museu de Arte Sacra, e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, uma construção de 1755, com fachada barroca. Além destes, há também a Igreja do Senhor do Bonfim e as ruínas da Igreja de Nossa Senhora do Amparo, do convento das Carmelitas e da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, todas estas obras datadas do século XVII. Mas o destaque do município é uma casa contruída em estilo colonial, que foi o lugar onde nasceu o Marechal Manuel Deodoro da Fonseca, militar que participou da Guerra do Paraguai (1865-1870), além de ter sido presidente da República .

Na cerimônia de tombamento do município, estavam presentes o ministro da Cultura, Gilberto Gil, do governador de Alagoas, Luís Abílio de Souza Neto, do prefeito da cidade, Danilo Damaso e do presidente do IPHAN, Luiz Fernando de Almeida.

FONTES: Bonde News (Paraná), Agência Brasil, Revista Museu, Wikipedia (Português), Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (IBGE, 1959).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…