Pular para o conteúdo principal

DEZ ANOS DE ENSAIOS PATRIMONIAIS



Por Alexandre Figueiredo

O que é o patrimônio cultural? Numa sociedade marcada pela curtição alienada e pelo consumismo, as pessoas não entendem. Acham que é um entulho velho guardado num porão onde ninguém há muito tempo visita, ou uma herança que poucos têm interesse em assumir.

É complicado criar uma página sobre patrimônio cultural se esse tema não garante visibilidade. E, há exatos dez anos, arriscar a criar uma página com informações mensais, divulgando as principais atividades do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional sem estar institucionalmente vinculado, era uma coisa inédita que parecia não ser bem sucedida.

Aliás, o não-vínculo institucional se deu porque eu havia feito um concurso para o IPHAN, em 2005, o primeiro sob a gestão de Antônio Augusto Arantes e também o primeiro depois que foi criado um decreto-lei regulamentando o patrimônio imaterial, o Decreto-Lei 3.551 de 04 de agosto de 2000, e, por razões alheias à minha vontade, não fui aprovado.

Curiosamente, março de 2006 foi a época em que os aprovados do concurso de 2005 começaram a ser convocados. Eu não fui aprovado porque não consegui encontrar a bibliografia indicada, e tive que enfrentar greve de bibliotecários e a indisponibilidade de um funcionário da biblioteca do IPHAN.

Com isso, se não pude trabalhar no IPHAN - espero ser aprovado em um novo concurso - , pude ao menos entender a instituição "de fora", e divulgar as atividades mais destacadas da autarquia numa página que, aparentemente, tem a estrutura de um blogue, mas prefiro defini-lo como "sítio de ciências sociais e patrimônio cultural".

Foi aí que surgiu Ensaios Patrimoniais. O nome remete ao sentido duplo de "ensaio", que tanto é um artigo ou monografia que procura analisar um assunto com profundidade, ou uma preparação para uma atividade ou uma compreensão mais definitiva.

Geralmente a edição é mensal, com um texto publicado, até pela falta de tempo (tenho outras páginas e outras atividades a fazer dentro e fora da Internet), mas dependendo do caso chega-se a ter quatro textos em um mesmo mês.

Ensaios Patrimoniais procurou, nesses dez anos, mostrar o trabalho do IPHAN e outras iniciativas em prol do patrimônio, mas também lançar textos questionando os problemas da cultura popular, que sofre o comercialismo voraz do brega-popularesco.

Felizmente, Ensaios Patrimoniais tornou-se bastante lido desde que foi publicado pela primeira vez, primeiro pelo Yahoo! Geocities, extinto serviço de páginas na Internet. Depois, a página foi transferida para o Fotopages, em 2009, e em 2010 todo o conteúdo dos dois portais está agora no Blogger.

Embora não seja um feito inédito criar páginas sobre patrimônio cultural, o diferencial de Ensaios Patrimoniais está no fato de não ser uma página acadêmica nem institucional, procurando ultrapassar os limites estritos desse meio.

Dessa forma, Ensaios Patrimoniais continua expandindo os temas culturais, geralmente apreciados por acadêmicos, técnicos e administradores públicos, para o público comum que, a princípio, não é acostumado a ler páginas desse perfil.

Ensaios Patrimoniais continuará ativo, seguindo adiante com sua linha temática. A presente postagem foi feita apenas para lembrar que a página chegou aos dez anos, somando-se às páginas brasileiras dedicadas ao patrimônio cultural.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…