Pular para o conteúdo principal

ALEIJADINHO, O MAIOR ARTISTA DO BRASIL COLONIAL

O ARTISTA PLÁSTICO ALEIJADINHO, EM DESENHO FEITO PELO MÉDICO E ARTISTA VALDERÍLIO FEIJÓ AZEVEDO, PROFESSOR DA UFPR.

Por Alexandre Figueiredo

Hoje se lembram os 200 anos de falecimento de Antônio Francisco Lisboa, o mineiro que, sob a alcunha de Aleijadinho, tornou-se um dos maiores artistas plásticos do período barroco, no Brasil colonial, e também um dos mais importantes de toda a História do país.

O apelido, que veio do corpo que se deformou com o tempo, tornou-se a identidade do artista, filho do arquiteto português Manuel Francisco Lisboa e da escrava Isabel, e que tornou-se arquiteto e entalhador, e suas obras, marcadas pela mesma controvérsia que marcou sua vida, eram cuidadosamente pesquisadas por estudiosos que queriam desvendar o mistério de suas autorias.

Afinal, era o século XVIII e não havia a mesma preocupação de registros autorais que se tem hoje. E Antônio Lisboa, embora fizesse arte como profissão, por encomenda sobretudo de igrejas da região de Congonhas, em Minas Gerais, não fazia o tipo de artista profissional que conhecemos, de talento calculista e sucesso tendencioso.

Aleijadinho fazia sua arte de forma espontânea, e a beleza de suas obras revela um amor pela arte, um prazer expressivo que impressionava a todos, com a fama provocada pela sofisticada qualidade de suas esculturas de motivação predominantemente religiosa.

No entanto, consta-se que Aleijadinho tinha um temperamento difícil, por causa das dores que sofria com a doença, e não raro reagia de forma ríspida aos assédios, pensando serem escárnios disfarçados de elogios. Estas são algumas das lendas que cercam a polêmica biografia colhida sobre o artista.

Rodrigo José Ferreira Bretas é considerado um dos principais biógrafos de Aleijadinho, tendo escrito sua biografia em 1858, 44 anos depois da morte do artista. Mesmo assim, alguns dados, com o tempo, foram contestados em pesquisas posteriores.

Um deles é referente ao ano de nascimento do artista. Segundo Bretas, Antônio Lisboa nasceu em 29 de agosto de 1730, na antiga cidade de Vila Rica, antiga capital de Minas Gerais e hoje conhecida como Ouro Preto. Mas pesquisas de documentos consultados posteriormente fizeram com que a data fosse corrigida para 1738, o que credita o óbito de Aleijadinho na idade de 76 anos.

Consta-se que, por causa da doença, que lhe dava uma aparência que constrangia muitas pessoas, Aleijadinho cobria as partes enfermas de seu corpo com roupas amplas e folgadas, além do uso de chapéus para cobrir a cabeça.

Entre duas roupas, conforme registra o historiador de arte britânico John Bury, estava um grosso pano azul que era usado para cobrir os joelhos. Usava calças e coletes e adaptava os sapatos aos seus pés para parecerem normais. Quando andava a cavalo, usava uma enorme capa de manto negro e mangas longas.

Ele também criava um espaço cercado de biombos toldos para evitar a exposição e fazia os trabalhos quase sempre à noite. Fazia isso para não ser assediado enquanto realizava seus trabalhos artísticos, já que a doença e as reações das pessoas o fizeram ser uma pessoa ríspida e desconfiada.

Mas até mesmo a sua enfermidade causava polêmica. Mesmo quanto à idade, já que se atribui a idade de 47 anos em algumas fontes e, em outras, 39 ou 40. Não há dados precisos sobre como se deu sua moléstia degenerativa, coisa que nem mesmo o exame dos restos mortais de Aleijadinho conseguiram desvendar.

Seu acervo riquíssimo também era alvo de polêmicas, e sua identificação dependia muitas vezes da pesquisa de documentos referentes à encomenda de tais trabalhos. Um dos primeiros a avaliar o acervo de Aleijadinho foi o botânico francês Auguste de Saint-Hilaire, que em sua viagem a Congonhas enumerou 66 figuras atribuídas a Aleijadinho.

Já o poeta Mário de Andrade, em suas turnês como pesquisador de manifestações culturais brasileiras, havia creditado um acervo de 74 imagens. Atualmente, conforme pesquisas diversas realizadas, considera-se o acervo de Aleijadinho dotado de 76 objetos, incluindo os 12 profetas.

Quatro escravos trabalharam para Aleijadinho, sendo três homens e uma mulher. Seus nomes eram Maurício, Januário, Agostinho e Anna. Maurício e Agostinho eram seus assistentes, e o primeiro dividia os bens salariais com o artista, de acordo com o relato de Bretas.


CELEBRAÇÕES À SUA MEMÓRIA

Um dos cenários da produção artística de Aleijadinho, a antiga Vila Rica, que hoje é a cidade histórica de Ouro Preto, divulgou um roteiro de atividades comemorativas à memória do artista, que ocorrem na cidade entre os próximos dias 17 a 21 de novembro de 2014. Os eventos são promovidos pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Já nesta semana já acontecem as exposições e oficinas Olhares sobre Aleijadinho, dedicadas a compreender a arte do mestre mineiro através de desenhos, ilustrações e fotografias, e de trabalhos que buscam obter conhecimentos sobre a arte barroca a partir do estudo do legado do artista.

Na igreja da Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias, no próximo dia 18, haverá a inauguração do seminário Aleijadinho e os Próximos 100 Anos, que contará com a participação do diretor do Departamento do Patrimônio Material e Fiscalização (DEPAM) do IPHAN, Andrey Schlee, do presidente do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), Ângelo Oswaldo, do Cônego da Diocese de Mariana, Luís Carlos Ferreira e um representante da Prefeitura Municipal de Ouro Preto.

O seminário irá discutir as medidas de preservação e conservação do acervo de Aleijadinho, seus significados para as artes plásticas na atualidade e nas próximas décadas e como projetos de investimentos como o PAC das Cidades Históricas podem contribuir para a proteção de seu patrimônio artístico, destacando a construção do Museu de Moldagens que abriga seu acervo.

No dia 19, será a vez do lançamento do livro Antônio Francisco Lisboa: Moldagens de gesso como instrumento de preservação da sua obra, que relata as experiências do antigo SPHAN (Serviço), sob a direção do advogado Rodrigo Melo Franco de Andrade, entre 1937 e 1968, no processo de salvaguarda, preservação, conservação e proteção da obra do mestre Aleijadinho.

Outro projeto contemplado é a restauração da própria Matriz de Nossa Senhora da Conceição, prevista para os próximos dois anos. A igreja foi construída entre 1727 e 1746 com projeto e execução do arquiteto e pai de Aleijadinho, Manuel Francisco Lisboa.

A igreja um dos monumentos mais representativos da arquitetura barroca brasileira e receberá recursos do PAC das Cidades Históricas, com o trabalho de obras previsto para começar já no próximo ano.

FONTES: IPHAN, Blog Arte Médica, Wikipedia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…