Pular para o conteúdo principal

EM TEMPOS POLÊMICOS DO "PROCURE SABER", LEMBRAMOS CEM ANOS DE VINÍCIUS DE MORAES



Por Alexandre Figueiredo

A Música Popular Brasileira, pelo menos na sua geração sofisticada de grandes compositores e intérpretes, vive hoje uma grande polêmica em torno do movimento Procure Saber, formado por artistas como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Chico Buarque, Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Milton Nascimento e Djavan.

O movimento Procure Saber, articulado pela produtora Paula Lavigne, ex-mulher de Caetano Veloso, defende que a produção de biografias, literárias ou audiovisuais, de personalidades vivas ou mortas, deva ser feita sob autorização dos biografados ou de seus herdeiros legais.

É uma crise de reputação, que no entanto causa o efeito irônico da redescoberta da MPB autêntica. Se os principais cantores e compositores da chamada "elite" da MPB são classificados como "censores" por intelectuais e jornalistas diversos, sua música de excelente qualidade é redescoberta pela curiosidade daqueles que nunca haviam se interessado em ouvi-los para valer.

Antes, o interesse era relativamente tímido, talvez pela própria influência da grande mídia e da blindagem intelectual, para as quais o grande público devia se subordinar ao "popular" estereotipado das canções piegas ou grotescas de funqueiros e os ditos "pagodeiros" e "sertanejos", entre outros.

Até pouco tempo atrás, a MPB autêntica era apreciada pelo grande público de forma secundária, como se fosse uma música estrangeira. Mesmo o sambista Paulinho da Viola - que não integra o Procure Saber, mas integra a geração dos membros envolvidos - , para o público de seu próprio bairro, o subúrbio carioca de Madureira, soa "estrangeiro".

A MPB moderna, da qual veio essa geração que hoje causa muita controvérsia mas desperta curiosidade, teve sua ascensão no meio da década de 60, mais precisamente entre 1965 e 1967 - com alguns surgidos entre 1969 e 1974 - , quando a sofisticação musical da Bossa Nova se fundiu com as pesquisas folclóricas do Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes.

Nesses dois caminhos estava um personagem comum, o poeta Vinícius de Moraes. Poeta em atividade desde 1928, aos 15 anos de idade, Vinícius tinha potencial para absorver a influência culturalmente libertária da Semana de Arte Moderna. E fez, quando entrou em contato com intelectuais como Manuel Bandeira, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e tantos outros.

Em 1937, já estava entrosado com o meio intelectual da antiga capital federal, o Rio de Janeiro, quando participou do imenso grupo que colaborou com a concepção do IPHAN, então SPHAN (Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), fundado por Rodrigo Melo Franco de Andrade e Mário de Andrade.

O poeta chegou a ser adepto do Integralismo, mas depois largou essa ideologia de cunho fascista fundada por Plínio Salgado e apoiada por Menotti del Picchia, ambos oriundos do movimento modernista de 1922. Vinícius, além de seguir sua poesia, trabalha também como jornalista e crítico de cinema.

Nos anos 1940 tornou-se diplomata do Itamaraty nos EUA, mas encerra as atividades por causa de seu gosto pela boemia e pelo convívio com os amigos da classe intelectual e artística. Apesar disso, ele teve um desempenho satisfatório no posto.

Conhecido ativista cultural, ele só ganharia a fama entre o grande público depois do sucesso da peça Orfeu da Conceição, uma adaptação que ele fez da tragédia grega Orfeu e Eurídice para o subúrbio carioca.

A peça seria musicada pelo maestro Oswaldo Gogliano, o Vadico, que havia sido parceiro de muitas canções compostas por Noel Rosa. No entanto, ele não tinha disponibilidade, na época em que foi convidado, por volta de 1955, para fazer a trilha sonora. Vinícius, então, procurou um outro músco e viu num pianista da noite, Antônio Carlos Jobim, o parceiro ideal.

A trilha sonora então foi trabalhada e, entre as canções incluídas, destaca-se "Se Todos Fossem Iguais a Você", lançada no ano da peça, 1956, e que prenunciava o tipo de canção romântica que caraterizaria boa parte do repertório da Bossa Nova.

Ao longo de sua carreira, que ganhou a consagração definitiva com a música "Garota de Ipanema", mas também apoiou o CPC da UNE, e ainda deu à entidade estudantil um hino composto com Carlos Lyra,bossanovista integrado ao movimento cepecista. Vinícius teve vários parceiros, de Antônio Maria a Toquinho, e sempre militou em favor da cultura brasileira.

Falecido em 1980, Vinícius de Moraes, se vivo fosse, estaria preocupado com o zelo extremo dos membros do Procure Saber. Amante da liberdade, ele provavelmente seria favorável à produção de biografias não-autorizadas, que poderiam somar às biografias oficiais.

Evidentemente ele não apoiaria o sensacionalismo, mas não iria também exigir que biógrafos sempre peçam autorização de biografados para produzir seus documentos. Como homem de cultura, Vinícius seria favorável à abrangente produção do conhecimento tão cara para a expressão e renovação dos valores sócio-culturais que constituem patrimônio em nosso país.

FONTES: G1, Portal Terra, Diário do Centro do Mundo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…