Pular para o conteúdo principal

PRIMEIRO ARRANHA-CÉU BRASILEIRO TORNA-SE PATRIMÔNIO CULTURAL


Por Alexandre Figueiredo

Numa época de transformações em curso na Zona Portuária do Rio de Janeiro, um de seus edifícios mais tradicionais torna-se patrimônio cultural. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) aprovou no último dia 03 o tombamento do edifício do jornal A Noite, situado junto à Praça Mauá e próximo ao começo a Avenida Rio Branco.

Construído no lugar do antigo prédio do Liceu Literário Português, em 1928, o edifício A Noite - cujo jornal era propriedade de Irineu Marinho, antes deste fundar o jornal O Globo, um dos veículos mais antigos das Organizações Globo - foi um projeto arquitetônico, em estilo art déco e dotado de concreto armado, do francês Joseph Gire, autor dos edifícios do Copacabana Palace e do Palácio Laranjeiras, e Elisiário Bahiana, com cálculo estrutural feito pelo engenheiro Emílio Baumgart.

O prédio é considerado o primeiro arranha-céu construído no Brasil, situado na antiga capital do país, e foi uma das construções que simbolizaram a modernização da cidade do Rio de Janeiro depois das transformações iniciadas pelo prefeito Pereira Passos no começo do século XX. Numa cidade onde os prédios tinham, no máximo, oito andares, o edifício A Noite conta com 22 andares.

O edifício, além de abrigar a sede do jornal A Noite, abrigou também filiais de empresas estrangeiras como a companhia aérea Pan Am e a indústria Philips. A origem da Rádio Nacional, inaugurada em 1936, está justamente no fato de que, antes de ter esse nome, a emissora havia sido a Rádio Philips, inaugurada em 1930.

Estatizada pelo Estado Novo de Getúlio Vargas em 1940, a Rádio Nacional inaugurou a Era de Ouro do rádio brasileiro, com diversas atrações que variavam dos musicais às rádionovelas, do radiojornalismo ao humorismo. E, situando-se na Praça Mauá, o edifício sede deixava sua marca com a frequência de artistas e atores como Emilinha Borba, Marlene, Paulo Gracindo, Ademar Casé, Francisco Alves e tantos outros.

Nessa época, a Praça Mauá não tinha o viaduto da Perimetral, que havia sido inaugurado completamente em 1962 e que hoje constitui numa triste paisagem da Zona Portuária, então condenada ao abandono e a ser um reduto de consumo de drogas, prostituição e assaltos.

Com o porto e a avenida principal vistos a céu aberto, a visão da Baía da Guanabara através do porto do Rio de Janeiro era belíssima, e do alto do edifício A Noite - atualmente chamado Edifício Joseph Gire - , dava para observá-la nas mesas do restaurante que ficava no terraço.

Do outro lado, dava-se para ver o restante do centro carioca, incluindo a Central do Brasil e a atual Avenida Presidente Vargas, logradouro construído no lugar de um antigo bairro com muitas residências, comércio e duas igrejas, das quais resta hoje a Igreja da Candelária.

Entre as décadas de 1940 e 1950, a Praça Mauá viveu um período de glamour, e junto ao Edifício A Noite, havia também o Terminal Rodoviário Mariano Procópio, inaugurado em 1950 para abrigar as linhas rodoviárias intermunicipais e interestaduais, que dava um complemento ao transporte marítimo no movimento de pessoas de várias partes do Brasil para o Rio de Janeiro.

O terminal rodoviário foi o primeiro interestadual a ser inaugurado no Estado do Rio de Janeiro, e atualmente está desativado para dar lugar a uma Escola de Artes e uma Pinacoteca, que pretendem dar um novo significado à vida cultural da área juntamente com o já existente Museu de Arte do Rio de Janeiro.

FONTES: IPHAN, O Globo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…