Pular para o conteúdo principal

UNESCO RECONHECE TÍTULO DE PATRIMÔNIO MUNDIAL PARA O RIO DE JANEIRO


Por Alexandre Figueiredo

A semana foi marcada pelo reconhecimento, por parte da UNESCO, do título do Patrimônio Mundial para a Paisagem concedido ao Rio de Janeiro, no último domingo.

O título foi dado durante a 36ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial das Nações Unidas, realizado em São Petersburgo, na Rússia, reunião que se iniciou em 25 de junho passado.

Na delegação brasileira, estavam presentes na ocasião a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, e o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Luiz Fernando de Almeida, que comemoraram a decisão. É mais um patrimônio brasileiro que agora faz parte da lista do Patrimônio Mundial.

O evento, que se encerra hoje, celebra os 40 anos da Convenção de 1972, documento lançado pelo Congresso Nacional da UNESCO (Organização para a Educação, Ciência e Cultura das Nações Unidas) realizado em UNESCO, que lançou as diretrizes para a proteção do patrimônio mundial cultural e natural. No evento, foi lançada a primeira Lista do Patrimônio Mundial a partir de suas diretrizes.


Na reunião de São Petersburgo, também foram considerados patrimônios mundiais: o sítio neolítico de Çatalhöyük, (Turquia), o sítio fossilífero de Chengjiang (China), os lagos de Unianga (Chade) e a reserva natural de Shanga (Camarões, República do Congo e República Centro-Africana), as casas de fazendas decoradas de Halsingland (Suécia) e os maiores sítios de mineração da Valônia (Bélgica) e a Igreja da Natividade (Cisjordânia).

 Na lista que hoje inclui 962 bens culturais reconhecidos pela UNESCO, o Brasil possui outros 18 bens culturais, reconhecidos em suas respectivas datas: Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de Ouro Preto, em Minas Gerais (1980); Centro Histórico de Olinda, em Pernambuco (1982); as Ruínas de São Miguel das Missões, no Rio Grande do Sul (1983); Santuário do Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas, em Minas (1985); o Centro Histórico de Salvador, na Bahia (1985); Conjunto Urbanístico de Brasília,  no Distrito Federal (1987); Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí (1991); Centro Histórico de São Luís, no Maranhão (1997); Centro Histórico de Diamantina, em Minas Gerais (1999); Centro Histórico da cidade de Goiás, no Estado homônimo (2001); Praça de São Francisco em São Cristovão, antiga capital de Sergipe (2010).

O Rio de Janeiro se candidatou a Patrimônio Mundial em 2009. Buscando conjugar a importância da cidade como centro urbano e paisagem natural, o IPHAN elaborou um dossiê que foi enviado para os técnicos da UNESCO, que avaliaram o documento recebido. Além da Convenção de 1972, o Patrimônio Mundial recebeu também novos critérios a partir da perspectiva de paisagem cultural lançada pela UNESCO em 1992.

A própria escolha do Rio de Janeiro abre um novo precedente para avaliar as paisagens culturais do mundo inteiro, já que antes da cidade as paisagens culturais eram reconhecidas em áreas rurais, sistemas agrícolas tradicionais e bens de valor simbólico e religioso.

Com o reconhecimento do Rio de Janeiro como patrimônio mundial, insere-se a paisagem urbana e a vida moderna no âmbito dos patrimônios históricos mundiais, não apenas evocando o passado, mas o presente, suas transformações e as expectativas para a vida futura.

FONTES: IPHAN, Agência EFE, Deutsche Welle.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…