Pular para o conteúdo principal

O DESENVOLVIMENTO DE SÃO PAULO ATRAVÉS DO SERVIÇO DE LIMPEZA


Por Alexandre Figueiredo

O serviço de limpeza pública é uma atividade bastante valorizada nos países desenvolvidos. Os próprios garis chegam mesmo a expressar autoridade no assunto, orientando e até mesmo ordenando as pessoas a arrumarem seus depósitos de lixo para ajudar a coleta dos trabalhadores do lixo.

A importância da limpeza pública é tal que ela ajuda a prevenir doenças. Mas num país como o Brasil, ainda em crise de valores, em que um jornalista de considerável projeção chega a fazer comentários grosseiros e desrespeitosos aos garis, depois de ver uma dupla expressando muita alegria por um ano que termina, é preciso repensar as coisas e ver a grande dignidade que possui essa atividade, muito importante para a nossa sociedade.

Um livro que descreve a história dos serviços de limpeza pública da cidade de São Paulo é um bom subsídio para isso. E mostra o quanto a evolução sócio-cultural da capital paulista influiu também na transformação dessa atividade ao longo dos anos.

Esse livro se chama Limpeza Pública no Estado de São Paulo - Uma história para contar. Embora descrevesse a trajetória desse serviço em todo o Estado de São Paulo, é a partir da capital que as transformações são percebidas. Editado pela Ipsis Gráfica e Editora, é escrito pelo presidente do Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana no Estado de São Paulo (Selur), Ariovaldo Caodaglio.

Caodaglio realizou as pesquisas, juntamente com o jornalista e historiador Roney Cytrynowicz, para o trabalho. São dados e várias fotografias, que revelam uma trajetória rica em informações e experiências, desde que na segunda metade do século XVII foi decidido implantar um serviço de limpeza pública na então provinciana cidade de São Paulo.

O tema parece estranho para os leigos, mas o serviço de coleta e tratamento do lixo, desde o começo, já inspirava discussões profundas como a questão de criar um depósito de lixo ou simplesmente de incinerá-lo. Uma questão como esta foi tratada pelo primeiro prefeito da capital paulista, Antônio Prado, e seu secretário de Saúde, o sanitarista e fundador do Instituto Butantã, Emílio Ribas, em 1899.

No começo do século XX, o serviço de limpeza urbana era feito através de mulas. Elas eram criadas em alojamentos onde hoje se situa o Parque do Ibirapuera. Além do tratamento exemplar dado por seus criadores, as mulas recebiam atendimento veterinário regularmente.

Mais tarde, novos equipamentos foram lançados, além de caminhões, adotados para fazer o transporte do lixo coletado. Até 1968, os caminhões não aposentaram completamente as mulas, havendo tanto o uso de uns quanto outras no serviço de limpeza urbana. Mas, depois de 1968, apenas caminhões passaram a ser usados, com renovação de frotas ocorrendo periodicamente.

Um desfile foi feito em 1922 para apresentar as primeiras transformações no século XX. O evento foi feito após a Semana de Arte Moderna, evento cultural que expressava a modernização que atingiu a capital paulista e a transformou depois na maior cidade da América Latina. E, na medida em que a cidade crescia, tornava-se mais necessário o aperfeiçoamento do serviço de limpeza urbana, ainda que seja pela pressão das classes populares, diante de eventuais problemas no serviço principalmente nos bairros populares.

O livro apresenta um grande acervo de fotos, que valem para explicar, através das imagens, a evolução do serviço de limpeza urbana no Estado de São Paulo e, em especial, na capital paulista.

FONTES; O Estado de São Paulo, Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…