Pular para o conteúdo principal

O DESENVOLVIMENTO DE SÃO PAULO ATRAVÉS DO SERVIÇO DE LIMPEZA


Por Alexandre Figueiredo

O serviço de limpeza pública é uma atividade bastante valorizada nos países desenvolvidos. Os próprios garis chegam mesmo a expressar autoridade no assunto, orientando e até mesmo ordenando as pessoas a arrumarem seus depósitos de lixo para ajudar a coleta dos trabalhadores do lixo.

A importância da limpeza pública é tal que ela ajuda a prevenir doenças. Mas num país como o Brasil, ainda em crise de valores, em que um jornalista de considerável projeção chega a fazer comentários grosseiros e desrespeitosos aos garis, depois de ver uma dupla expressando muita alegria por um ano que termina, é preciso repensar as coisas e ver a grande dignidade que possui essa atividade, muito importante para a nossa sociedade.

Um livro que descreve a história dos serviços de limpeza pública da cidade de São Paulo é um bom subsídio para isso. E mostra o quanto a evolução sócio-cultural da capital paulista influiu também na transformação dessa atividade ao longo dos anos.

Esse livro se chama Limpeza Pública no Estado de São Paulo - Uma história para contar. Embora descrevesse a trajetória desse serviço em todo o Estado de São Paulo, é a partir da capital que as transformações são percebidas. Editado pela Ipsis Gráfica e Editora, é escrito pelo presidente do Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana no Estado de São Paulo (Selur), Ariovaldo Caodaglio.

Caodaglio realizou as pesquisas, juntamente com o jornalista e historiador Roney Cytrynowicz, para o trabalho. São dados e várias fotografias, que revelam uma trajetória rica em informações e experiências, desde que na segunda metade do século XVII foi decidido implantar um serviço de limpeza pública na então provinciana cidade de São Paulo.

O tema parece estranho para os leigos, mas o serviço de coleta e tratamento do lixo, desde o começo, já inspirava discussões profundas como a questão de criar um depósito de lixo ou simplesmente de incinerá-lo. Uma questão como esta foi tratada pelo primeiro prefeito da capital paulista, Antônio Prado, e seu secretário de Saúde, o sanitarista e fundador do Instituto Butantã, Emílio Ribas, em 1899.

No começo do século XX, o serviço de limpeza urbana era feito através de mulas. Elas eram criadas em alojamentos onde hoje se situa o Parque do Ibirapuera. Além do tratamento exemplar dado por seus criadores, as mulas recebiam atendimento veterinário regularmente.

Mais tarde, novos equipamentos foram lançados, além de caminhões, adotados para fazer o transporte do lixo coletado. Até 1968, os caminhões não aposentaram completamente as mulas, havendo tanto o uso de uns quanto outras no serviço de limpeza urbana. Mas, depois de 1968, apenas caminhões passaram a ser usados, com renovação de frotas ocorrendo periodicamente.

Um desfile foi feito em 1922 para apresentar as primeiras transformações no século XX. O evento foi feito após a Semana de Arte Moderna, evento cultural que expressava a modernização que atingiu a capital paulista e a transformou depois na maior cidade da América Latina. E, na medida em que a cidade crescia, tornava-se mais necessário o aperfeiçoamento do serviço de limpeza urbana, ainda que seja pela pressão das classes populares, diante de eventuais problemas no serviço principalmente nos bairros populares.

O livro apresenta um grande acervo de fotos, que valem para explicar, através das imagens, a evolução do serviço de limpeza urbana no Estado de São Paulo e, em especial, na capital paulista.

FONTES; O Estado de São Paulo, Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…