Pular para o conteúdo principal

UNESCO ANALISA CANDIDATURA DO RIO DE JANEIRO PARA PATRIMÔNIO MUNDIAL



Por Alexandre Figueiredo

A três anos da Copa do Mundo do Brasil e a cinco das Olimpíadas, o Rio de Janeiro já conta com um dossiê nas mãos dos analistas do Centro do Patrimônio Mundial da UNESCO, com sede em Paris, desde o final de janeiro último.

Foi decidido que o processo de inclusão da capital fluminense na lista de Patrimônios Mundiais da Humanidade esteja na pauta da 36ª Sessão do Centro do Patrimônio Mundial, que acontecerá em 2012.

A elaboração da proposta foi coordenada pelos técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), com a participação do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (INEPAC), ligado ao Governo do Rio de Janeiro, da Prefeitura do Rio de Janeiro, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e da Fundação Roberto Marinho.

A cidade do Rio de Janeiro, com sua história mundialmente reconhecida, é uma das cidades brasileiras mais famosas do mundo. Seus diversos pontos turísticos são associados à paisagem ambiental, como o Pão de Açúcar, na Urca, e o Cristo Redentor, localizado no Morro do Corcovado. Há também as belas praias de Copacabana, Ipanema e Leblon, além da Floresta da Tijuca, como pontos turísticos que associam ecologia, turismo e lazer.

A UNESCO definiu o conceito de paisagem cultural em 1992, tornando-se um novo tipo de abordagem de bens culturais, de acordo com a Convenção de 1972, realizada em Estocolmo, que instituiu a lista de Patrimônio Mundial.

Atualmente, os sítios que mundialmente são reconhecidos como paisagens culturais estão relacionados às áreas rurais, aos tradicionais sistemas agrícolas, aos jardins históricos e outros locais de cunho simbólico, religioso e afetivo de suas populações.

O reconhecimento do Rio de Janeiro culminará numa visão nova na abordagem das paisagens culturais do planeta. Isso se deve porque a cidade será a primeira paisagem urbana a se inscrever na Lista do Patrimônio Mundial.

O Brasil possui hoje 18 bens culturais na lista de 911 bens reconhecidos pela UNESCO. Os bens naturais são: Parque Nacional do Iguaçu, Paraná (1986); Costa do Descobrimento, Bahia e Espírito Santo (1997); Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí (1998); Reserva Mata Atlântica, São Paulo e Paraná (1999); Parque Nacional do Jaú, Amazonas (2000); Pantanal Mato-grossense, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (2000); Reservas do Cerrado: Parque Nacional dos Veadeiros e das Emas, Goiás (2001); e Parque Nacional de Fernando de Noronha, Pernambuco (2001).

Por sua vez, Já os bens culturais reconhecidos são: Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de Ouro Preto, Minas Gerais (1980); Centro Histórico de Olinda, Pernambuco (1982); Ruínas de São Miguel das Missões, Rio Grande do Sul (1983); Santuário do Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas, Minas (1985); Centro Histórico de Salvador, Bahia (1985); Conjunto Urbanístico de Brasília, Distrito Federal (1987); Centro Histórico de São Luís, Maranhão (1997); Centro Histórico de Diamantina, Minas (1999); e Centro Histórico de Goiás, Goiás (2001).

Fonte: IPHAN.

Comentários

Marcelo Pereira disse…
O curioso é que será um patrimônio manco, perneta, já que a diversidade de pinturas dos ônibus era um patrimônio que o prefeito teve o "cuidado" de extinguir.

Deveriam ter tombado a diversidade de pinturas dos ônibus do RJ.

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…