Pular para o conteúdo principal

ASSINADO O PLANO DE AÇÃO DAS CIDADES HISTÓRICAS


SÃO PEDRO DA ALDEIA É UM DOS 15 MUNICÍPIOS BENEFICIADOS PELO PAC DAS CIDADES HISTÓRICAS

Por Alexandre Figueiredo

O presidente do IPHAN, Luiz Fernando de Almeida e o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, assinou, no último dia 18, o Plano de Ação das Cidades Históricas do Estado. O plano tem por finalidade investir no desenvolvimento econômico e social dos 15 municípios fluminenses envolvidos, a exemplo do que o plano prevê também em outras cidades estaduais nos demais Estados brasileiros. Neste ano, um total de 173 cidades brasileiras estão incluídas no PAC das Cidades Históricas.

A cerimônia aconteceu no Palácio Guanabara, no município do Rio, e contou também com a presença dos prefeitos das 15 cidades beneficiadas. Cada município receberá investimentos na ordem de R$ 20 milhões para executar o PAC das Cidades Históricas: ngra dos Reis, Cabo Frio, Casemiro de Abreu, Duas Barras, Itaboraí, Mangaratiba, Paraty, Petrópolis, Quatis, Quissamã, Rio Claro, Santa Maria Madalena, São Pedro da Aldeia e Vassouras e a própria cidade do Rio de Janeiro.

Os investimentos são feitos a partir de projetos elaborados pelas próprias cidades, dentro de uma ação conjunta com a participação das esferas federal, estadual e municipal. O planejamento, cujas metas são elaboradas a cada ano, permitirá o envio de recursos financeiros governamentais, além de investimentos feitos pela iniciativa privada, nos projetos estratégicos feitos por cada município.

O plano visa a recuperação urbanística como um todo, numa reestruturação que envolve reparos na fiação elétrica, recuperação e conservação arquitetônica, obras em espaços urbanos que permitam acesso também aos deficientes físicos, instalação de mobiliário urbano, incluindo recuperação de edifícios degradados ou subutilizados, sinalização, melhorias na iluminação e implantação de serviço de Internet sem fio.

A recuperação de monumentos e prédios públicos inclui a adequação do seu uso para abricar universidades, bibliotecas, centros culturais, museus e outros tipos de espaços públicos. O plano também pretende fomentar as cadeias produtivas locais, dando apoio para a estruturação e efetivação de atividades locais, sobretudo aquelas relacionadas à sua tradição cultural.

Lançado em outubro de 2009, o PAC das Cidades Históricas conta com R$ 230 milhões investidos diretamente do Ministério da Cultura. O plano é organizado pelo MinC através do IPHAN junto ao Gabinete da Casa Civil, com a participação dos ministérios do Turismo, da Educação e das Cidades. O plano também conta com a colaboração da Petrobras, da Eletrobrás, do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), da Caixa Econômica Federal e do Banco do Nordeste do Brasil.

Segundo o ministro da Cultura, Juca Ferreira, a dimensão cultural precisa fortalecer a sua infraestrutura, pois é só através desta iniciativa que o país conseguirá desenvolver a melhoria da qualidade de vida da população, o aumento de seu poder aquisitivo, a circulação das mercadorias e a oportunidade de trabalho para todos, além de outros setores.

"Este programa é uma revolução no setor cultural do país. Mais de 90% dos municípios brasileiros não têm cinema. É importante que a gente compreenda a complexidade deste desenvolvimento para que não tenhamos uma visão economicista e nem simplória de desenvolvimento. É a partir desta infraestrutura do patrimônio que você capacita a nação. O Brasil tem uma das culturas mais ricas do mundo. Este ato de hoje terá uma grande importância nos próximos anos, com uma série de eventos internacionais que acontecerão aqui. Esta é a hora de investirmos nisso. Esta é uma possibilidade de o patrimônio deixar de ser um fardo e passar a ser um ativo cultural e econômico para o desenvolvimento do nosso país", acrescentou o ministro.

FONTES: IPHAN, Imprensa Nacional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…