Pular para o conteúdo principal

PRIMEIRA FACULDADE INDÍGENA DO BRASIL FORMA 90 NOVOS PROFESSORES



Por Alexandre Figueiredo

Uma nova turma de alunos foi formada este mês pela primeira faculdade indígena da América do Sul. A Faculdade Intercultural Indígena, da Universidade do Estado do Mato Grosso (Unemat), diplomou 90 índios de diversas aldeias da região, que estão habilitados para trabalhar como professores para os povos de suas tribos. É a segunda turma formada pela Unemat, e a primeira se formou em 2006. A cerimônia de formação da segunda turma foi realizada no Ginásio de Esportes Arlindo Buck, na Barra dos Bugres, no último dia 14 de julho.

A faculdade existe desde 2001 e é uma conquista de um desejo reivindicado há um tempo por cientistas sociais e lideranças indígenas. Além disso, quando, junto com a aprovação da Lei 11.645/2008, que instituiu no currículo oficial da rede de ensino nacional a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-brasileira e Indígena, o projeto de criação de mais uma faculdade indígena no Brasil, a primeira em âmbito federal.

Esta faculdade será instalada na Universidade Federal do Amazonas, para atender às tribos da região do Rio Negro. Mas, diante da espera da UFAM pelas verbas federais, outra iniciativa neste sentido, em âmbito estadual, obtém êxito, através da Universidade do Estado do Mato Grosso, que no II Congresso Universitário da instituição aprovou a criação da faculdade indígena, na região da Barra dos Bugres. Nesse lugar, já existem diversos cursos superiores ligados ao Programa de Educação Superior Indígena Intercultural (Proesi), coordenado pelo vice-reitor da Unemat, professor Elias Januário.

A faculdade indígena da Unemat conta com infra-estrutura necessária para a realização de aulas, alojamento dos alunos, sede administrativa e também outras dependências disponíveis para o Programa de Educação Superior Indígena (Proesi). A oferta de cursos com formação superior dotado de currículos específicos e diferenciados tem sido uma das ações da Unemat no campo da Educação Superior Indígena.

Desde 2000, a Unemat já havia criado cursos de formação com currículos específicos e diferenciados no ramo da Educação Superior Indígena. Depois de discussões estabelecidas para sua criação, foram iniciados os Cursos de Licenciatura Específica para Formação de Professores Indígenas.

Na faculdade indígena, a metolodogia dos cursos obedece a um regime especial. Os cursos são desenvolvidos de forma intensa e presencial durante o período de férias e recessos escolares, e são feitas atividades cooperadas entre docentes e cursistas nos períodos em que estes ministram aulas nas escolas indígenas.

Durante as etapas intermediárias, os estudantes realizam atividades de estágio nas escolas localizadas em suas aldeias, com acompanhamento dos professores da instituição, contribuindo para que a universidade participe da realidade vivida em cada comunidade indígena, ajudando na consolidação de uma educação escolar específica e diferenciada, que atenda aos anseios de cada população indígena. O currículo dos cursos é flexível, definido, revisto e atualizado com ampla participação dos estudantes e pelos diversos envolvidos no contexto, partindo de pressupostos como a afirmação da identidade étnica e a valorização dos costumes, da língua e das tradições culturais de cada povo.

Segundo Elias Januário, a criação da Faculdade Intercultural Indígena é um passo para a Universidade dos Povos Indígenas no Brasil, uma das próximas metas dos cientistas sociais. Será a quinta no mundo. Atualmente existem quatro universidades para os povos indígenas, no México, Canadá, Equador e Nicarágua.

Fontes: TV Bandeirantes, Só Notícias, Barra do Bugre News, Cristovam.Org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…