Pular para o conteúdo principal

PRIMEIRA FACULDADE INDÍGENA DO BRASIL FORMA 90 NOVOS PROFESSORES



Por Alexandre Figueiredo

Uma nova turma de alunos foi formada este mês pela primeira faculdade indígena da América do Sul. A Faculdade Intercultural Indígena, da Universidade do Estado do Mato Grosso (Unemat), diplomou 90 índios de diversas aldeias da região, que estão habilitados para trabalhar como professores para os povos de suas tribos. É a segunda turma formada pela Unemat, e a primeira se formou em 2006. A cerimônia de formação da segunda turma foi realizada no Ginásio de Esportes Arlindo Buck, na Barra dos Bugres, no último dia 14 de julho.

A faculdade existe desde 2001 e é uma conquista de um desejo reivindicado há um tempo por cientistas sociais e lideranças indígenas. Além disso, quando, junto com a aprovação da Lei 11.645/2008, que instituiu no currículo oficial da rede de ensino nacional a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro-brasileira e Indígena, o projeto de criação de mais uma faculdade indígena no Brasil, a primeira em âmbito federal.

Esta faculdade será instalada na Universidade Federal do Amazonas, para atender às tribos da região do Rio Negro. Mas, diante da espera da UFAM pelas verbas federais, outra iniciativa neste sentido, em âmbito estadual, obtém êxito, através da Universidade do Estado do Mato Grosso, que no II Congresso Universitário da instituição aprovou a criação da faculdade indígena, na região da Barra dos Bugres. Nesse lugar, já existem diversos cursos superiores ligados ao Programa de Educação Superior Indígena Intercultural (Proesi), coordenado pelo vice-reitor da Unemat, professor Elias Januário.

A faculdade indígena da Unemat conta com infra-estrutura necessária para a realização de aulas, alojamento dos alunos, sede administrativa e também outras dependências disponíveis para o Programa de Educação Superior Indígena (Proesi). A oferta de cursos com formação superior dotado de currículos específicos e diferenciados tem sido uma das ações da Unemat no campo da Educação Superior Indígena.

Desde 2000, a Unemat já havia criado cursos de formação com currículos específicos e diferenciados no ramo da Educação Superior Indígena. Depois de discussões estabelecidas para sua criação, foram iniciados os Cursos de Licenciatura Específica para Formação de Professores Indígenas.

Na faculdade indígena, a metolodogia dos cursos obedece a um regime especial. Os cursos são desenvolvidos de forma intensa e presencial durante o período de férias e recessos escolares, e são feitas atividades cooperadas entre docentes e cursistas nos períodos em que estes ministram aulas nas escolas indígenas.

Durante as etapas intermediárias, os estudantes realizam atividades de estágio nas escolas localizadas em suas aldeias, com acompanhamento dos professores da instituição, contribuindo para que a universidade participe da realidade vivida em cada comunidade indígena, ajudando na consolidação de uma educação escolar específica e diferenciada, que atenda aos anseios de cada população indígena. O currículo dos cursos é flexível, definido, revisto e atualizado com ampla participação dos estudantes e pelos diversos envolvidos no contexto, partindo de pressupostos como a afirmação da identidade étnica e a valorização dos costumes, da língua e das tradições culturais de cada povo.

Segundo Elias Januário, a criação da Faculdade Intercultural Indígena é um passo para a Universidade dos Povos Indígenas no Brasil, uma das próximas metas dos cientistas sociais. Será a quinta no mundo. Atualmente existem quatro universidades para os povos indígenas, no México, Canadá, Equador e Nicarágua.

Fontes: TV Bandeirantes, Só Notícias, Barra do Bugre News, Cristovam.Org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…