Pular para o conteúdo principal

IPHAN INICIA PARTICIPAÇÃO EM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA


Evento aconteceu durante inauguração do novo campus da UFRB, em Cachoeira (BA). Na foto, um dos prédios do Quarteirão Leite Alves ainda em obras.

Por Alexandre Figueiredo

Durante a cerimônia de inauguração dos prédios restaurados que abrigam o campus da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), em Cachoeira (Bahia), no último dia 25, foi assinado um termo de cooperação técnica do IPHAN no Programa de Apoio à Extensão Universitária, um projeto promovido pelo Ministério da Educação (MEC), em parceria com a Secretaria de Ensino Superior (SESU), órgão ligado ao Ministério. Nesta iniciativa, o governo disponibilizará R$ 1 milhão, de um total de R$ 19,2 milhões, para a investir na criação e no desenvolvimento de programas e projetos de extensão universitária destinados ao patrimônio cultural, de forma a auxiliar na preservação de valores culturais, conforme perspectivas já apresentadas pelo ProExt.

Estiveram presentes no evento o presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, os ministros Juca Ferreira (Cultura), Geddel Vieira Lima (Integração Nacional), Fernando Haddad (Educação) e Edson Santos (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial). Além deles, compareceram à cerimônia o presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, que está na Bahia para as comemorações, em Salvador, do Dia Internacional da África, o governador da Bahia, Jaques Wagner, o prefeito de Cachoeira, Fernando Antonio Tato Pereira, e o presidente do Iphan, Luiz Fernando de Almeida.

A cidade de Cachoeira é considerada uma das preciosidades do patrimônio histórico brasileiro, que incluem o Conjunto da Ordem do Carmo, a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, as igrejas do Monte e Rosarinho, a capela da Ajuda, a casa natal de Ana Nery e o Quarteirão Leite Alves, que sediou uma fábrica de charutos com o mesmo nome no final do século XIX, e situa-se próximo à ponte de ferro D. Pedro II. O quarteirão foi escolhido para ser a nova sede da UFRB.

Em outros tempos, porém, o patrimônio histórico de Cachoeira encontrava-se em péssimo estado de conservação e o município é um dos que mais recebem recursos do programa Monumenta/IPHAN na ordem de R$ 36 milhõe destinados à sua recuperação arquitetônica e na utilização de seus espaços para atividades sócio-culturais e educacionais, que é o caso da UFRB.

A respeito do ProExt 2009, podem apresentar propostas ao programa as Instituições Federais de Ensino Superior, incluindo os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, com cursos de nível superior, e as Instituições Estaduais de Ensino Superior.

Em relação ao patrimônio cultural, os programas e projetos devem enfocar um dos temas seguintes:

· mapeamento do patrimônio cultural brasileiro, material e imaterial, articulado com as metodologias utilizadas pelo Iphan - o Inventário Nacional de Referência Cultural – INRC para os bens de natureza imaterial; e o Sistema Nacional de Conhecimento e Gestão do Patrimônio Material – SIGC para os bens de natureza material;

· pesquisa, produção de registros e arquivos, digitalização, restauros, e disponibilização de registros e arquivos de relevância histórica e cultural e produção de material de referência, incluindo produção de conteúdo audiovisual e mídias alternativas;

· desenvolvimento de projetos de restauro e conservação do patrimônio cultural com destinação para uso e/ou planos de gestão, demonstrando a viabilidade econômica e social;

· desenvolvimento de projetos de socialização de sítios arqueológicos existentes com destinação de uso e/ou planos de gestão demonstrando viabilidade econômica e social;

· economia da cultura, com ênfase na preservação e apropriação do patrimônio através de empreendimentos preferencialmente autogestionários.

Criado em 2003, o Programa de Apoio à Extensão Universitária é destinado a promover a inclusão social nas diversas áreas que contam com políticas públicas e já promoveu 21 temas diferentes. A edição de 2009 do ProExt dividiu os investimentos em quatro áreas: educação, desenvolvimento social e saúde terá R$ 12,2 milhões; gestão cultural, economia da cultura e desenvolvimento das linguagens artísticas, R$ 3 milhões; preservação do patrimônio cultural brasileiro, R$ 1 milhão; trabalho, emprego, incubação de empreendimentos econômicos solidários, R$ 3 milhões. Os investimentos permitirão que as atividades acadêmicas relacionadas a esses objetivos sejam implantadas ou tenham continuidade, podendo assim intervir na resolução dos problemas que envolvem a sociedade brasileira.

Para as instituições interessadas em saber as normas do programa, deve-se consultar o Edital 6/2009 – Proext 2009, que é regido pela Lei no 6.974, de 12 de agosto de 2008, pelo Decreto no 6.170, de 2007, pelas Portarias Interministeriais nos 127, 342, 404, de 2008, pelo Decreto no 6.495, de 2008 e as demais normas que regulam o programa. O edital foi publicado no Diário Oficial da União, dia 26/05/2009, seção 3, página 35, através deste endereço:

http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/index.jsp?data=26/05/2009&jornal=3&pagina=35&totalArquivos=144

As propostas deverão ser elaboradas através da Internet pelo SIGPROJ (Sistema de Informação e Gestão de Projetos), no endereço http://sigproj.mec.gov.br/, a partir da data de publicação do edital. O Proext 2009 tem vigência até 31 de dezembro de 2010, sendo que o prazo de execução dos programas e projetos será de, no máximo, 15 meses a contar da data de liberação dos recursos, cujo limite está estipulado em R$ 100 mil, para os programas, e R$ 30 mil, para os projetos.

FONTES: Ministério da Cultura, IPHAN.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…