Pular para o conteúdo principal

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS - IBRAM



Por Alexandre Figueiredo

A Câmara dos Deputados aprovou, em dezembro passado, a proposta de criação do Instituto Brasileiro de Museus, que substituirá o Departamento de Museus do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O instituto é uma antiga reivindicação dos museólogos brasileiros e o projeto de sua criação, em tramitação no Senado, será sancionado ainda este mês pelo presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva.

O início dos trabalhos está previsto para o mês de março próximo. Mais de 70 anos mais novo que o IPHAN, o IBRAM se desvinculará do outro instituto, o que favorecerá as atividades do IPHAN. Desta forma, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional deixará de assumir os museus, se ocupando nos assuntos ligados aos patrimônios material, imaterial e arqueológico. Esta vantagem resolve a questão polêmica da criação do IBRAM, uma vez que, embora a criação de um novo órgão represente mais gastos por parte do Governo Federal, ela diminui a sobrecarga de atividades, já que os patrimônios material, imaterial e arqueológico do IPHAN já significam responsabilidades muito amplas e complexas.

A proposta de um instituto dedicado exclusivamente aos museus estava na pauta desde o primeiro governo Lula, em 2002. No projeto original do Ministério da Cultura, já se delineava a preocupação em dar um tratamento diferenciado aos museus. Pesquisando sobre os assuntos sobre patrimônio em sítios especializados na Internet, Ensaios Patrimoniais pôde conferir que os museus se tornaram centro das atenções dos órgãos patrimoniais e no debate sobre esta área.

O próprio Departamento de Museus do IPHAN é recente, tendo sido implantado em 2004. A partir daí, já se cogitava desmembrar o Departamento e criar o IBRAM, e o então ministro da Cultura, Gilberto Gil, e o diretor do Departamento de Museus, José Nascimento Júnior, decidiram enviar a proposta para o Congresso Nacional em 2006. Já nesta época, ficou decidido que Nascimento Júnior será o diretor do IBRAM.

O estabelecimento de institutos próprios responsáveis pelos museus é tendência internacional, e Nascimento Júnior lembra que o Instituto Português dos Museus existe há mais de 15 anos. Segundo ele, o Brasil tem o sexto maior setor de museus do mundo, o que indica a necessidade de criação do IBRAM.

As atribuições do Instituto Brasileiro de Museus são amplas. Sua dedicação não será exclusiva aos museus federais, porque envolverá todos os museus, inclusive particulares. Será adotada uma política cultural para todos os museus brasileiros, visando melhorar os serviços do setor e estimular o aumento do número de visitantes.

Além disso, o IBRAM formulará, em sua política, meios que permitam os museus aumentarem a arrecadação financeira, realizar a aquisição de objetos para seus acervos e trabalhar pela preservação e conservação dos mesmos. Serão também adotadas ações integradas entre os museus brasileiros como, por exemplo, em exposições itinerantes em várias capitais do país ou em eventos temáticos realizados simultaneamente em diversos lugares.

Juntamente com o novo instituto, foi aprovado sua principal ferramenta legal, o Estatuto dos Museus, também apreciado pelo Congresso Nacional desde 2006. Nascimento Júnior afirma que o estatuto é um instrumento orientador para a área dos museus, tendência que também acontece em outros países. "O estatuto pretende dar um padrão de gestão dos museus, uma ferramenta para o gestor qualificar sua instituição", diz Nascimento Júnior.

O futuro diretor do IBRAM acrescenta que os museus terão um prazo de cinco anos para se adequarem ao Estatuto. Dentre as funções deste instrumento legal estão as de orientar a administração dos museus brasileiros, tornar obrigatória a gestão de um plano museológico, desenvolver um programa de segurança periodicamente testado e promover a formação e reciclagem de profissionais, além da implantação de uma política de aquisição.

O IBRAM criará uma política dedicada às artes visuais, envolvendo artistas e curadores, promovendo um diálogo aberto que também envolva a sociedade e qualifique a relação entre museu e arte contemporânea. O diálogo também se estenderá aos interesses de de desenvolver a memória nacional, com os museus da Maré, dos Sem-Terra, dos Quilombolas e dos Povos Indígenas.

Nascimento Júnior relata que apenas 20% dos municípios brasileiros possuem museus e a maioria da população brasileira não tem acesso a eles. Mesmo assim, ele aponta um dado positivo, de que o número de visitantes de museus, entre 2003 e 2008, cresceu de 15 milhões para 29 milhões, quase o dobro em cinco anos. A área de museus movimentou, entre 2001 e 2007, investimento de R$ 1,5 milhão e hoje envolve 200 milhões de bens culturais sob sua guarda e um quadro profissional de 40 mil empregos diretos.

Outra finalidade do IBRAM é o incentivo à formação museológica. Em 2003, havia somente dois cursos de Museologia no Brasil, um na Uni-Rio (RJ) e outro na Universidade Federal da Bahia (UFBA), em Salvador. Atualmente, o número é de 11 cursos, e com o IBRAM se espera que a Museologia aumente significativamente sua presença nas Universidades.

Para a implantação do IBRAM, serão necessários recursos no valor de R$ 22,2 milhões. O Departamento de Museus teve orçamento direto de R$ 45 milhões somente em 2008, sem incluir os financiamentos obtidos por meio da Lei Rouanet. Espera-se que o valor dos recursos seja aumentado com o Fundo Nacional de Desenvolvimento dos Museus, que ainda se encontra em análise na Comissão de Educação e Cultura na Câmara dos Deputados.

O IBRAM aguarda autorização do Ministério do Planejamento (que aplicará os recursos de implantação do instituto) para a realização de um concurso público para seu quadro de servidores. Estão previstos 425 cargos. Além destes, o Instituto Brasileiro de Museus contará com 110 cargos de confiança. No entanto, a maioria dos trabalhadores atuará dentro dos museus, reforçando a sua estrutura.

FONTE: Agência Globo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…