Pular para o conteúdo principal

PARAÍBA TERÁ PRIMEIRA CASA DO PATRIMÔNIO DO BRASIL



Por Alexandre Figueiredo

Um antigo sobrado localizado no número 23 da Praça Antenor Navarro, no Centro Histórico de João Pessoa, capital da Paraíba, está destinado a uma nova função. Adquirida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional pela quantia de R$ 80 mil reais, a construção inaugura no país o conceito de Casa do Patrimônio e será a nova sede da 20ª Superintendência Regional (SR) da instituição, que envolve os Estados da Paraíba e Rio Grande do Norte.

O projeto das Casas de Patrimônio teve origem na proposta do Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização (DEPAM), com o objetivo de melhorar e modernizar o funcionamento das Superintendências Regionais e dos escritórios técnicos do IPHAN. Essa reestruturação, que será gradual, e tem como objetivo transformar esses órgãos em agências culturais de cada localidade, capazes de atender a estudantes, pesquisadores, turistas, visitantes de lugares tombados e à população.

A definição das Casas de Patrimônio se baseia em estruturar um centro capaz de prestar informações correspondentes aos bens tombados, ao processo de tombamento e outros detalhes relacionados, além de fornecer dados sobre as atividades referentes à área da cultura e sobre a história da cultura local. A idéia é redimensionar a atuação do IPHAN em todo o Brasil, aproximando o contato entre a instituição e a sociedade. Com a reestruturação, o IPHAN poderá sediar ou promover eventos culturais de pequeno porte, abrigar exposições temáticas e itinerantes e desenvolver ações permanentes de educação patrimonial, assim como realizar oficinas e treinamentos relacionados à áreas de conservação, restauração e preservação de monumentos e espaços públicos.

O projeto também beneficia a própria rotina de trabalho de cada superintendência e escritório do IPHAN, atendendo aos aspectos de visibilidade, acessibilidade e espaço adaptado às suas funções. A Casa do Patrimônio de João Pessoa continua desenvolvendo atividades de promoção, valorização e difusão do patrimônio cultural, favorecendo o acesso direto da comunidade às informações e aos produtos culturais do IPHAN, do Ministério da Cultura e das demais unidades vinculadas. A Casa será um espaço para interagir e articular as diversas instâncias da administração pública e da sociedade civil organizada. Estarão disponíveis para os visitantes terminais de computadores para consultarem o acervo de banco de dados e imagens.

A Casa do Patrimônio de João Pessoa está localizada num lugar privilegiado da Cidade Baixa da capital paraibana, local considerado de grande interesse cultural e paisagístico, e que compõe um conjunto arquitetônico de estilo art dèco, que data do começo do século XX. A área foi um marco do projeto de revitalização dos logradouros públicos de João Pessoa. A escolha da Casa do Patrimônio, pelo seu valor histórico e arquitetônico e pela sua localização estratégica, permitirá a democratização do acesso e a participação da sociedade nas ações para valorizar e promover o patrimônio cultural.

O investimento para a Casa do Patrimônio foi viabilizado através do Programa de Cooperação firmado entre os governos do Brasil e da Espanha, o Governo do Estado da Paraíba e a Prefeitura Municipal de João Pessoa, com a participação do Ministério da Cultura e do Iphan, com a finalidade de efetivar a revitalização do Centro Histórico local.

O SOBRADO E SUA HISTÓRIA - O imóvel destinado à Casa do Patrimônio de João Pessoa está localizado no núcleo inicial de formação da antiga localidade de Filipéia de Nossa Senhora das Neves, depois cidade da Paraíba e rebatizada João Pessoa em homenagem ao político paraibano, que foi vice de Getúlio Vargas nos pleitos presidenciais de 1930 e morreu assassinado. Esse núcleo é o Varadouro, que fica perto do Antigo Porto do Capim e à Antiga Fábrica de Vinho de Caju Tito Silva, que foi tombado pelo IPHAN, em 1984.

A casa de número 23, exemplar da arquitetura do início do Século XX, foi construída numa área remanescente do núcleo original da cidade. A casa apresenta um bom nível de conservação e preservação de suas características arquitetônicas originais. Faz parte da área onde funcionou o porto de entrada para a capital paraibana, e que fica próxima ao Rio Sanhauá e a o Antigo Porto do Capim.

A construção é composta de dois pavimentos e é situada no lado ímpar da Praça. Os pavimentos são ligados internamente por uma escada de alvenaria, com piso em granilite. As alvenarias são feitas de tijolos maciços de barro cozido, assentados com argamassa de cal, barro e areia. O piso do pavimento térreo também é em granilite. Já o piso do primeiro pavimento é em assoalho, com tábuas com 10cm de largura em peças alternadas de amarelo vinhático e pau d’arco, sobre estrutura de vigas de madeira.

FONTES: IPHAN, Ministério da Cultura, Conhecer Brasil (1982).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…