Pular para o conteúdo principal

MOSTRA SOBRE PATRIMÔNIO IMATERIAL BRASILEIRO SERÁ ABERTA EM BRASÍLIA

BANDA DE PÍFANOS DE CARUARU PERCORRE, TOCANDO, A FEIRA POPULAR DA CIDADE PERNAMBUCANA, QUE ESTÁ INCLUÍDA NA MOSTRA.

Por Alexandre Figueiredo

Será aberta em Brasília, no próximo dia 27, a exposição interativa "Patrimônio Imaterial Brasileiro – A Celebração Viva da Cultura dos Povos", uma parceria da Caixa Econômica Federal e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A mostra será realizada na Caixa Cultural e a entrada será gratuita. A mostra durará até 27 de março.

O evento foi idealizado pela relações públicas Fernanda Pereira, o produtor cultural Luiz Prado e a pesquisadora e escritora Mirna Brasil Portella, com curadoria de Luciano Figueiredo, com o objetivo de apresentar um levantamento das maiores manifestações culturais ligadas ao patrimônio imaterial brasileiro.

A mostra será inaugurada com a apresentação de Boi de Seu Deodoro, tradicional grupo de bumba-meu-boi do Distrito Federal que atua sob o legado deixado pelo pesquisador folclórico Teodoro Freire (1920-2012), maranhense que viveu no Rio de Janeiro e havia também ensinado a cultura do bumba-meu-boi na capital fluminense.

A exposição passou por Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife e Fortaleza, e a primeira edição contava apenas com 30 bens culturais considerados patrimônio imaterial. A lista se ampliou com o tempo, devido aos novos bens incluídos, e a nova exposição contará com 38.

O Bumba-Meu-Boi do Maranhão é um dos bens incluídos na exposição, e o Estado compartilha com o Ceará a apresentação do Teatro de Bonecos do Nordeste Cassimiro Coco. Os teatros de bonecos Mamelungo, em Pernambuco, João Redondo e Calunga, ambos no Rio Grande do Norte, e o Babau, na Paraíba, serão representados na mostra.

A Bahia será representada pela Oficina das Baianas do Acarajé, da Festa do Nosso Senhor do Bonfim e do Samba de Roda do Recôncavo Baiano. No âmbito nacional, o Ofício dos Mestres de Capoeira e a Roda de Capoeira serão apresentados na mostra. Sergipe virá com o Modo de Fazer Renda Irlandesa.

Em Pernambuco, a Feira de Caruaru, com todas as manifestações relacionadas - sobretudo a Banda de Pífanos de Caruaru - , será apresentada, assim como o Frevo, o Maracatu Nação, o Maracatu de Baque Solto e o Cavalo Marinho. O Piauí será representado pela Cajuína e o Rio Grande do Norte, pela festa religiosa de Santana de Caicó, homenagem à padroeira desta cidade potiguar.

Do Norte, o Amazonas mostrará imagens da Cachoeira do Iauaretê, lugar considerado sagrado pelas tribos indígenas Tariano, Pira-Tapuia, Wanano, Tuyuka e outras, que vivem nas áreas dos rios Uaupés e Tapuri. Do mesmo Estado, será também exibido o Sistema Agrícola Tradicional do Rio Negro.

Também do Norte, serão mostrados, do Pará, o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, as Festividades de São Sebastião na Região do Marajó, o Carimbó e o Modo de fazer Cuias no Baixo Amazonas. Do Amapá, será exibida a Arte Kisiwa, constituída de pintura corporal e arte gráfica produzida pela tribo Wajãpi.

Do Centro-Oeste, Goiás virá com a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis. Goiás compartilha com Tocantins (Estado que, apesar de pertencer à Região Norte, correspondeu a parte do território goiano) a apresentação dos patrimônios Rtixòkò, que é a cultura artística e mística da tribo Karajá, e os Saberes e Práticas Associados aos Modos de Fazer Bonecas da mesma tribo indígena.

Outro patrimônio presente na mostra, o Modo de Fazer Viola-de-Cocho, muito tocada em festas religiosas nas regiões do Pantanal, é compartilhado pelos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (que outrora eram o mesmo Estado do Mato Grosso). De parte apenas do atual Mato Grosso, será apresentado o Ritual Yaokwa do Povo Indígena EnaweneNawe.

Do Sudeste, Minas Gerais será representada pelo Modo Artesanal de Fazer Queijo de Minas nas regiões do Serro e serras da Canastra e do Salitre, o Toque dos Sinos e o Ofício dos Sineiros. Os quatro Estados sudestinos, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, compartilham o Jongo, dança de origem africana derivada do samba.

O Rio de Janeiro será representado pela Festa do Divino Espírito Santo de Parati e pelas Matrizes do Samba do Rio de Janeiro, que são o partido alto, o samba de terreiro e o samba-enredo. São Paulo divide com o Estado sulino do Paraná o Fandango Caiçara, dança caipira de origem barroca praticada no litoral sul paulista e no litoral norte paranaense.

O Rio Grande do Sul representará a Região Sul através das imagens e informações a respeito de Tava Miri São Miguel de Arcanjo, um local de referência para a tribo GuaraniMByá por ter sido território de antepassados, situado na região de São Miguel das Missões, no Oeste gaúcho.

O Samba de Roda do Recôncavo Baiano, a Arte Kusiwa da tribo Wajãpi, o Frevo, o Círio de Nossa Senhora de Nazaré e a Roda de Capoeira também são considerados Patrimônios Históricos da Humanidade pela UNESCO, órgão vinculado à Organização das Nações Unidas.

Os bens culturais do patrimônio imaterial estão registrados em quatro livros pelo IPHAN, cada um com uma categoria específica: Saberes, Lugares, Celebrações e Formas de Expressão. O tema patrimônio imaterial tornou-se oficialmente foco das políticas patrimoniais a partir do Decreto-Lei de 04 de agosto de 2000.

No entanto, pode-se inferir que o patrimônio imaterial teria sido um dos grandes interesses do poeta, escritor e ativista cultural Mário de Andrade (1893-1945), um dos principais líderes do movimento modernista. Quando ele fundou o então SPHAN (serviço), junto com Rodrigo Melo Franco de Andrade (1898-1969), em 1936, Mário tinha muitas ideias a respeito do patrimônio cultural.

No entanto, restrições de ordem política e financeira fizeram, na época, o SPHAN se concentrar no patrimônio material, com ênfase nos principais sítios históricos brasileiros. Com o tempo, porém, o âmbito patrimonial acabou se ampliando e o idealismo de Mário de Andrade e suas pesquisas sobre patrimônio imaterial deixaram sementes para políticas futuras.

FONTES: IPHAN, Portal Feira de Caruaru, Fundação Joaquim Nabuco, Ministério da Cultura, Wikipedia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…