Pular para o conteúdo principal

ESTAÇÕES TELEGRÁFICAS DE RONDÔNIA VIRAM PATRIMÔNIO CULTURAL


Por Alexandre Figueiredo

Dois dos marcos da modernização do país através da integração de redes telegráficas se tornaram patrimônio cultural pelo Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

As estações telegráficas de Vilhena e Ji-Paraná, em Rondônia, são as duas remanescentes das estações telegráficas construídas pela Comissão Rondon, um projeto do militar e sertanista Cândido Mariano da Silva Rondon (1865-1958), idealizador de um projeto de comunicação das regiões brasileiras através do telégrafo, invenção do físico estadunidense Samuel Morse no ano de 1835 e que foi introduzida no Brasil em 1857.

Descendente de indígenas, Cândido Rondon, mais tarde conhecido como Marechal Rondon, havia sido militante abolicionista na juventude e dedicou sua vida na pesquisa de tribos indígenas. Chegou a fazer expedição com o então presidente dos EUA, Theodore Roosevelt, tio de Franklin Roosevelt, que, no mesmo cargo, visitou o Brasil durante o Estado Novo do presidente Getúlio Vargas.

As duas estações, que estabeleciam comunicação entre Cuiabá, no Mato Grosso, e a capital rondonense Porto Velho, foram as que restaram de tantas outras, e se localizam no Estado de Rondônia, que havia sido território e se chamava Guaporé até a mudança de nome em homenagem ao marechal que trabalhou na área.

A estação de Vilhena foi inaugurada em 1911 e a de Ji-Paraná, em 1914. As estações telegráficas foram as pioneiras das telecomunicações no Brasil, num primeiro esforço de estabelecer contato entre as mais distantes regiões do país e favorecer o povoamento das regiões Norte e Centro-Oeste.

A Estação Telegráfica de Vilhena começou a ser construída em 1910 no Planalto dos Parecis. e seu nome era uma homenagem ao maranhense Álvaro Coutinho de Melo Vilhena, ex-diretor dos Correios e Telégrafos que havia falecido anos antes da expedição.

Desativada e abandonada décadas depois, a estação de Vilhena tornou-se parte do cenário narrado pelo antropólogo Claude Levi-Strauss no seu livro Tristes Trópicos, que narra sua passagem pelo Brasil. Em 23 de novembro de 1977, é inaugurado o atual município de Vilhena, depois que um povoado na área cresceu e se desenvolveu ao longo dos anos. Ji-Paraná foi inaugurada um dia antes.

A Estação Telegráfica Presidente Pena, em Ji-Paraná, se destacava por sua arquitetura mais imponente, construída com tijolos de adobe, um tipo de barro, e cobertura em telhas de cerâmica fabricada de maneira artesanal. enquanto a construção do posto de Vilhena era mais modesta, parecendo uma residência rural comum.

A estação de Ji-Paraná se transformou no Museu das Comunicações e é administrada pela Fundação Cultural do município. Sofreu reformas recentemente, com material semelhante ao que foi utilizado na construção original, como tijolos de adobe.

A de Vilhena se transformou no museu Casa de Rondon, e é administrada pela União por estar localizada em uma área militar, controlada pela Aeronáutica. Ficou abandonada durante muitos anos e chegou a sofrer ataques de vândalos várias vezes e sofreu reformas em 2012.

O Conselho Consultivo, formado por representantes de órgãos como o próprio IPHAN, o Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e os ministérios da Educação, das Cidades e do Turismo, aprovaram o tombamento definitivo das duas estações, em votação unânime.

Com isso, as duas estações, símbolos de um período pioneiro de integração de áreas distantes do Brasil, receberão recursos para restauração e reformas, As obras poderão ser iniciadas no começo do próximo ano.

FONTES: IPHAN, Correio Popular de Rondônia, Blog História e Geografia de Rondônia, Correio de Notícias de Rondônia, Portal G1.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…