Pular para o conteúdo principal

SÃO LUÍS RECEBE PRAÇA REFORMADA E TERÁ OBRAS EM RUA HISTÓRICA

A RUA GRANDE, QUE SERÁ REQUALIFICADA.

Por Alexandre Figueiredo

O Centro Histórico de São Luís, capital do Maranhão, reinaugurou uma praça e anunciou investimentos de recuperação de uma das principais ruas da cidade, conhecida pelo intenso movimento da multidão e da presença de comércio popular.

Em cerimônia que contou com a presença do governador do Maranhão, Flávio Dino, do prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr. e do ministro da Cultura, Juca Ferreira, além do anúncio de reinauguração da Praça da Alegria, com recursos do PAC Cidades Históricas, foram também firmados novos investimentos para a Rua Grande e uma linha ferroviária na capital maranhense.

O evento também contou com a presença da presidenta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Jurema Machado, do diretor do PAC Cidades Históricas, Robson de Almeida e da chefe da 3ª Superintendência Regional do IPHAN, Kátia Bogea.

A Praça da Alegria teve origem em 1815 e remete a uma situação que contraria seu nome, já que nela eram enforcados escravos e criminosos comuns. Seu primeiro nome era o Largo da Forca Velha, que ganhou o atual nome por iniciativa da Câmara Municipal do município, em 1849, que retirou a forca e no seu entorno cultivou árvores e plantas ornamentais e foram colocados bancos.

A praça teve vários nomes, em homenagem a datas ou locais (13 de maio e Colombo) e personalidades (Sotero Reis, Saturnino Belo e Coronel Manuel Inácio), mas sua denominação de Praça da Alegria tornou-se a mais popular até hoje. Durante muito tempo, no centro da praça funcionou a primeira escola infantil da cidade, o Jardim de Infância Dom Francisco.

Nos últimos anos, a praça estava degradada e ocupada pelo comércio informal. Ele foi deslocado e foi realizada uma ampla reforma para recuperar a função social da praça, como área de lazer, encontro de amigos e contemplação paisagística do lugar. Sua reinauguração foi feita na tarde do útlimo dia 26, com a presença das autoridades envolvidas.

Já a Rua Grande, conhecida pelo comércio popular e pela presença do comércio informal, apresenta problemas, já que a ocupação dos ambulantes é irregular e o calçamento das ruas apresenta rachaduras, buracos e, em dias de chuva, a lama atrapalha o tráfego dos transeuntes.

Antigamente chamada Caminho Grande, a Rua Grande, com suas casas tradicionais, surgiu após a expulsão de invasores franceses na capital maranhense, por iniciativa do engenheiro militar português Francisco Frias de Mesquita, que traçou o desenho original do logradouro.

O PAC Cidades Históricas pretende investir na recuperação e requalificação da rua, com recursos de R$ 28,6 milhões, que serão aplicados na recuperação dos pisos, na colocação de nova fiação elétrica, na recuperação da iluminação e na instalação de novos equipamentos urbanos, permitindo a acessibilidade.

Outro investimento a ser feito em São Luís é a parceria entre o IPHAN e a Companhia Vale para manter o acervo de exposição permanente no Centro Referencial Casa do Tambor de Crioula, correspondente ao ritmo do tambor de crioula, considerado patrimônio histórico desde 2007. Serão investidos R$ 150 mil para a casa, que será entregue em setembro próximo.

Outros R$ 150 mil foram anunciados para a recuperação da locomotiva Benedito Leite, de fabricação alemã, pela Hannoversche Maschimenbau AG Hanomag. O trem se encontra estacionado na antiga Estação João Pessoa, também em São Luís, e tem valor histórico para a região.

Tendo se originado em 1895, a ligação São Luís-Teresina foi parte integrante da Rede Ferroviária S/A (RFFSA) em 1957. A ferrovia teve importância crucial no desenvolvimento do Maranhão e na integração com Estados vizinhos do Nordeste brasileiro, rompendo com o antigo isolamento regional.

FONTES: IPHAN, Portal G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…