Pular para o conteúdo principal

SÃO LUÍS RECEBE PRAÇA REFORMADA E TERÁ OBRAS EM RUA HISTÓRICA

A RUA GRANDE, QUE SERÁ REQUALIFICADA.

Por Alexandre Figueiredo

O Centro Histórico de São Luís, capital do Maranhão, reinaugurou uma praça e anunciou investimentos de recuperação de uma das principais ruas da cidade, conhecida pelo intenso movimento da multidão e da presença de comércio popular.

Em cerimônia que contou com a presença do governador do Maranhão, Flávio Dino, do prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr. e do ministro da Cultura, Juca Ferreira, além do anúncio de reinauguração da Praça da Alegria, com recursos do PAC Cidades Históricas, foram também firmados novos investimentos para a Rua Grande e uma linha ferroviária na capital maranhense.

O evento também contou com a presença da presidenta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Jurema Machado, do diretor do PAC Cidades Históricas, Robson de Almeida e da chefe da 3ª Superintendência Regional do IPHAN, Kátia Bogea.

A Praça da Alegria teve origem em 1815 e remete a uma situação que contraria seu nome, já que nela eram enforcados escravos e criminosos comuns. Seu primeiro nome era o Largo da Forca Velha, que ganhou o atual nome por iniciativa da Câmara Municipal do município, em 1849, que retirou a forca e no seu entorno cultivou árvores e plantas ornamentais e foram colocados bancos.

A praça teve vários nomes, em homenagem a datas ou locais (13 de maio e Colombo) e personalidades (Sotero Reis, Saturnino Belo e Coronel Manuel Inácio), mas sua denominação de Praça da Alegria tornou-se a mais popular até hoje. Durante muito tempo, no centro da praça funcionou a primeira escola infantil da cidade, o Jardim de Infância Dom Francisco.

Nos últimos anos, a praça estava degradada e ocupada pelo comércio informal. Ele foi deslocado e foi realizada uma ampla reforma para recuperar a função social da praça, como área de lazer, encontro de amigos e contemplação paisagística do lugar. Sua reinauguração foi feita na tarde do útlimo dia 26, com a presença das autoridades envolvidas.

Já a Rua Grande, conhecida pelo comércio popular e pela presença do comércio informal, apresenta problemas, já que a ocupação dos ambulantes é irregular e o calçamento das ruas apresenta rachaduras, buracos e, em dias de chuva, a lama atrapalha o tráfego dos transeuntes.

Antigamente chamada Caminho Grande, a Rua Grande, com suas casas tradicionais, surgiu após a expulsão de invasores franceses na capital maranhense, por iniciativa do engenheiro militar português Francisco Frias de Mesquita, que traçou o desenho original do logradouro.

O PAC Cidades Históricas pretende investir na recuperação e requalificação da rua, com recursos de R$ 28,6 milhões, que serão aplicados na recuperação dos pisos, na colocação de nova fiação elétrica, na recuperação da iluminação e na instalação de novos equipamentos urbanos, permitindo a acessibilidade.

Outro investimento a ser feito em São Luís é a parceria entre o IPHAN e a Companhia Vale para manter o acervo de exposição permanente no Centro Referencial Casa do Tambor de Crioula, correspondente ao ritmo do tambor de crioula, considerado patrimônio histórico desde 2007. Serão investidos R$ 150 mil para a casa, que será entregue em setembro próximo.

Outros R$ 150 mil foram anunciados para a recuperação da locomotiva Benedito Leite, de fabricação alemã, pela Hannoversche Maschimenbau AG Hanomag. O trem se encontra estacionado na antiga Estação João Pessoa, também em São Luís, e tem valor histórico para a região.

Tendo se originado em 1895, a ligação São Luís-Teresina foi parte integrante da Rede Ferroviária S/A (RFFSA) em 1957. A ferrovia teve importância crucial no desenvolvimento do Maranhão e na integração com Estados vizinhos do Nordeste brasileiro, rompendo com o antigo isolamento regional.

FONTES: IPHAN, Portal G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…