Pular para o conteúdo principal

LIVRO RELATA TOMBAMENTO DE TEMPLOS AFRO-BRASILEIROS


Por Alexandre Figueiredo

Embora de forma tardia, o legado da influência africana na cultura brasileira, através dos templos afro-brasileiros, foi valorizado através da dedicação de cientistas sociais empenhados na sua preservação, há 28 anos.

Como forma de relatar o histórico desse processo de tombamento dos templos de cultos de origem africana no Brasil, através do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, foi lançado o livro O Patrimônio Cultural dos templos Afro-Brasileiros, pela Oiti Editora e Produções Culturais.

O livro foi lançado no último dia 14 em evento realizado na sede da 7ª Superintendência Regional do IPHAN, no Solar Berquó, na Barroquinha, centro histórico de Salvador.

A publicação é resultante dos trabalhos realizados no Seminário Internacional Políticas de Acautelamento do IPHAN para Templos de Culto Afro-Brasileiros, realizado em 2009, em parceria com a Universidade Federal da Bahia (UFBA) e que teve a coordenação da antropóloga Maria do Rosário Gonçalves de Carvalho. O seminário foi promovido pela UFBA, pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e pela Universidade Federal de Pernambuco, com a colaboração de órgãos de pesquisa da França e de vários países africanos.

Prefacia o livro o presidente do IPHAN, Luiz Fernando de Almeida, enquanto a apresentação do livro fica por conta do superintendente do instituto na Bahia, Carlos A. Amorim. Os terreiros se tornam vestígio da origem da influência africana no Brasil e até hoje possuem notável expressão na cultura brasileira, sobretudo na Bahia, como relatou Amorim:  “Eles, os terreiros, carregam, de um lado a outro do oceano, a sacralidade, o testamento das pequenas áfricas – monumentais como o continente negro”.


Diversos pesquisadores publicaram textos que avaliam a situação desses sítios históricos, ao longo dos 28 anos de esforços de preservação desse patrimônio, como Márcio Sant`Anna, Ordep Serra, Gilberto Velho, Sérgio F. Ferretti, Luis Nicolau Parés, Maria Rosário Gonçalves de Carvalho e Hugo Prudente, Scott Joseph Allen, Carlos Etchevarne, Alexis B. A. Adandé, Christine Henry e Emmanuelle Kadya Tall.

O próprio Carlos Amorim escreve outro capítulo do livro, o texto "Os limites do IPHAN no trato dos templos afro-brasileiros". “A preservação de templos e locais sagrados da cultura afro-brasileira é coisa recente e se limitou, nos últimos 25 anos, à inscrição nos livros de tombo oficiais, malgrado o imperativo de se mover uma discussão profunda sobre o tema”, disse Amorim.

 A primeira casa de culto afro-brasileiro a ser tombada foi a Casa Branca do Engenho Velho ((Ilê Axé Iyá Nassô Oká), situado no Engenho Velho da Federação, em Salvador, no ano de 1984. Depois, foram tombados, na Bahia, os terreiros Ilê Axé Opô Afonjá (1999), Gantois (2002), Bate Folha Manso Banduquenqué (2003), Alaketo (2004) em Salvador e, em 2011, foi a vez do Terreiro da Roça do Ventura, em Cachoeira, no Recôncavo Baiano. No Maranhão, o Terreiro Casa das Minas Jejê, em São Luiz, foi transformado em patrimônio cultural em 2005.


FONTES: IPHAN, AC Comunicação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…