Pular para o conteúdo principal

A ANTROPOLOGIA SOB A NOVA LUZ DE GEERTZ



Por Alexandre Figueiredo

"Eu vi para confundir e não para explicar". A frase do famoso comunicador Abelardo Barbosa, celebremente conhecido como "Chacrinha", poderia ser aparentemente atribuída ao antropólogo norte-americano Clifford Geertz. Juntamente com Claude Levi-Strauss, Geertz provocou transformações profundas nos estudos antropológicos do século XX.

É considerado o fundador da antropologia interpretativa, uma nova maneira de estudar antropologia partindo de um enfoque interdisciplinar. Tendo servido a Marinha durante a Segunda Guerra Mundial, ele depois realizou seus estudos em Ohio e New Jersey. Trabalhou como revisor do New York Post, até dedicar-se, depois, à Antropologia, a princípio de uma forma acanhada. Graduou-se em filosofia e inglês e em 1956 obteve PhD em Antropologia. No ano seguinte parte para suas primeiras pesquisas antropológicas na Indonésia, estudando as crenças e rituais religiosos dos povos locais. Sua esposa Hildred, aproveitando a experiência do marido, realiza pesquisas de parentesco dos mesmos povos.

Quando já exercia uma certa intimidade com os estudos antropológicos, Geertz sentiu as falhas existentes nos padrões de metodologia adotados. A antropologia dos anos 50 ainda estava presa ao rigor metodológico das tradições acadêmicas, que nada permitiam acrescentar novos dados sobre comunidades pesquisadas. Dessa forma, não era possível, por exemplo, avaliar as diversidades antropológicas e culturais de cada sociedade, nem analisar a sua variação de acordo com o tempo. Uma de suas dificuldades foi a de, conforme os padrões metodológicos vigentes, restringir sua análise da sociedade de Java, na Indonésia, a apenas um aspecto de pesquisa.

A falta de uma pesquisa mais abrangente na antropologia, para Geertz, também envolvia a falta de um enfoque interdisciplinar. Em seu livro Nova luz sobre a Antropologia, de 2000, ele comenta, num de seus capítulos, os conflitos ideológicos entre antropólogos e historiadores, que se acusavam mutuamente.

A respeito da "confusão" da frase que inicia este texto, uma forma de explicação? Ou uma forma de inquietação, para estimular a polêmica e o debate? Com base na sua experiência como antropólogo, como veremos a seguir, Geertz, vendo as limitações dos padrões de análise antropológica vigentes, decidiu romper com esses padrões e partir para abordagens mais arriscadas, ainda que sua análise torne o estudo cada vez mais complexo. Concordando com Levi-Strauss, que disse que "a explicação científica consiste na substituição de uma complexidade menos inteligível por outra mais inteligível" (GEERTZ, 1989), Geertz acrescenta que "a explicação consiste, muitas vezes, em substituir quadros simples por outros complexos", enquanto se esforça para manter a clareza persuasiva dos quadros simples. Em outras palavras, Clifford Geertz pretende chamar a atenção para o fato de que a análise científica, muitas vezes, por desvendar a complexidade das coisas, pode, ao exercer novas descobertas, não necessariamente solucionar seus problemas, mas encarar novos problemas. Citando Whitehead, que disse "Procure a simplicidade, mas desconfie dela", Geertz sugere, no entanto, que o cientista procure a complexidade e a organize.

Geertz também não vê problema na perspectiva etnocentrista na análise antropológica, mas admite que ela pode aprisionar o pesquisador na sua própria tradição cultural. Para o antropólogo, o pesquisador costuma ser capaz de compreender mais o enigma dos outros do que o de si próprio, e que os enigmas decorrentes da diversidade cultural aparecem nas limitações das próprias pessoas, e não por alguma fronteira social específica.

Um dos maiores legados de Clifford Geertz é, portanto, o estímulo ao debate antropológico, mas sua pesquisa também influiu na transformação metodológica da psicologia, da história e da teoria literária.

BIBLIOGRAFIA

WIKIPEDIA, Enciclopédia Livre. Clifford Geertz (texto em português). Dados obtidos na Internet. Texto atualizado em 18.03.2006.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

GEERTZ, Clifford. Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

OLIVEIRA, Maria da Guia e CABRAL, Benedita E. S. L.. O estudo antropológico pós-moderno a partir da análise de Clifford Geertz. In: PAR'A'IWA. n. 05. João Pessoa, Março de 2004.

SCHWARCZ, Lilia K. Moritz. Mercadores do espanto: a prática antropológica na visão travessa de Clifford Geertz. In: REVISTA DE ANTROPOLOGIA. v. 44 n. 01. São Paulo, 2001.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…