Pular para o conteúdo principal

PRAÇA DE BELO HORIZONTE GANHA ESPAÇO CULTURAL



Exposição mostra detalhes do Circuito Cultural de Belo Horizonte

Por Alexandre Figueiredo

A Praça da Liberdade, um dos principais pontos paisagísticos de Belo Horizonte, passa a abrigar o Circuito Cultural, um projeto do governo de Minas Gerais em parceria com várias entidades da iniciativa privada. O espaço cultural foi inaugurado este mês, no dia 03, com a exposição "Praça da Liberdade: circuito cultural - arte e conhecimento". O governador mineiro Aécio Neves participou da abertura do evento.

O Circuito Cultural reunirá atividades de arte, ciência, cultura popular e lazer em museus, centros de memória, salas de exposição e de espetáculos, além de abrigar espaços para oficinas e cursos e contar com cafeterias, restaurantes e lojas. O circuito também tem como virtude reaproveitar os prédios históricos, adaptados especialmente às novas funções previstas no projeto.


Mapa divulgado mostra área do Circuito Cultural

São dez espaços que, no total, fazem parte do circuito. O Espaço do Conhecimento, em parte patrocinado pela Universidade Federal de Minas Gerais, é um deles. Há também o Museu das Minas e do Metal, o Memorial de Minas Gerais (patrocinado pela companhia Vale), o Centro de Arte Popular e o Centro de Apoio Turístico Tancredo Neves, conhecido como "Rainha da Sucata" (pela mistura de materiais utilizados em sua construção, em estilo pós-moderno) e onde abriga o Museu da Mineração, são outros centros integrantes. Além deles, fazem parte também os já tradicionais Palácio da Liberdade, Arquivo Público Mineiro, Museu Mineiro e a Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa. Também integra o circuito a filial de Belo Horizonte do Centro Cultural Banco do Brasil.

O Palácio da Liberdade, a Biblioteca Luiz de Bessa, o Arquivo Público Mineiro, o Museu Mineiro e o Centro de Apoio Turístico passaram por um recente processo de revitalização, estando abertos diariamente ao público, excetuando-se o Palácio da Liberdade, que atualmente só abre suas portas ao público no último domingo de cada mês.

Por sua vez, o Espaço do Conhecimento, o Museu das Minas e do Metal, o Memorial de Minas Gerais, o Centro de Arte Popular e o Centro Cultural Banco do Brasil ainda estão em obras. Entre o Arquivo Público Mineiro e o Museu Mineiro, que passaram por reforma e modernização nos sistemas elétrico e hidráulico, também está em construção uma cafeteria para estimular o convívio social dos frequentadores.

Para abrigar a sede deste complexo cultural, todas as atividades de restauração e revitalização dos edifícios têm a supervisão do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA - MG) e os projetos relacionados foram aprovados pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural de Belo Horizonte (CDPCM-BH), pela Secretaria Municipal de Regulação urbana (SMARU), do Conselho Estadual do Patrimônio (CONEP) e pela Secretaria do Meio Ambiente (SMAMA).

O complexo paisagístico da Praça da Liberdade foi construído na época da fundação de Belo Horizonte, em 1897. A Praça da Liverdade foi implantada numa esplanada artificial, obtida por meio dos cortes e aterros realizados no antigo Alto da Boa Vista, adaptando o lugar ao traçado urbanístico que foi proposto. Abriga o Palácio da Liberdade, sede do governo mineiro.

A área envolve várias construções inauguradas entre as décadas de 1940 e 1980. É localizada na região do bairro de Savassi, uma das áreas nobres da capital mineira. A Praça da Liberdade foi reduto de acontecimentos e manifestações sócio-políticos mineiros e se situa entre quatro grandes avenidas da capital mineira: Cristóvão Colombo, João Pinheiro, Brasil e Bias Fortes.

FONTES: JB On Line, Wikipedia, Skyscrapercity, Blog Viamundo, Minas On Line.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COMUNIDADES INDÍGENAS DO ALTO-XINGU SÃO PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

As duas localidades situados no Mato Grosso que são considerados pelas tribos indígenas do Alto-Xingu como lugares sagrados tornaram-se patrimônio cultural por iniciativa do IPHAN.

O Conselho Consultivo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional aprovou há cinco dias, por unanimidade, o pedido de tombamento das localidades de Sagihengu e Kamukuwaká, feito por iniciativa das etnias Waurá, Kalapalo e Kamayurá e reforçado pelos técnicos do IPHAN.

Sagihengu e Kamukuwaká são lugares que fazem parte do Kwarup, a maior festa ritualística realizada pelos povos do Alto-Xingu. Nove etnias que formam seu complexo sócio-cultural participam, de forma compartilhada, dos rituais. Todavia, as duas áreas ainda estão fora do território demarcado pelo Governo do Parque Nacional do Xingu.

Observando essa limitação, os grupos indígenas formularam, em 2008, um pedido para o IPHAN de transformação da área em patrimônio cultural, garantindo a conservação e também o acesso …

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

PÓS-GRADUAÇÃO PAGA AGRAVARÁ GRANDES BARREIRAS PARA O CONHECIMENTO

Por Alexandre Figueiredo

Foi aprovada anteontem, na plenária da Câmara dos Deputados, a proposta que permite a cobrança de mensalidades em cursos de pós-graduação nas universidades públicas. A Proposta de Emenda Constitucional, cujo autor do texto original é o deputado Alex Canziani (PTB-PR) e com texto substitutivo do colega Cleber Verde (PRB-MA), ainda depende da votação no Senado para aprovação definitiva.

O projeto propõe que cursos universitários de pós-graduação lato sensu (especialização), assim como os de Mestrado profissional e extensão, cobrem taxas de mensalidades de seus alunos. Segundo seus defensores, a medida visa melhorar a arrecadação de recursos das instituições de ensino superior.

A proposta de pós-graduação paga, que contou com a oposição de partidos como PSOL, PC do B e o recém-criado REDE (Rede Sustentabilidade, de Marina Silva), embora o Partido dos Trabalhadores tenha deixado a questão facultativa (os petistas poderiam votar contra ou a favor, se quiserem), no…