Pular para o conteúdo principal

O ROUBO DE OBRAS DE ARTE NO BRASIL



Por Alexandre Figueiredo

A precariedade dos museus brasileiros é uma preocupação que não pode se restringir às conversas de botequim nem às reclamações pelas costas dos brasileiros. E nem mesmo nas eventuais denúncias veiculadas pela grande mídia. Esse assunto deveria estar em pauta permanente nas preocupações não apenas em entender o problema, mas em solucioná-lo.

Entre fevereiro e março de 2006, ocorreram dois grandes roubos no Rio de Janeiro, quando foram levadas peças estrangeiras e nacionais de grande relevância artística e histórica. Entre elas, quadros de Pablo Picasso, Henri Matisse, Claude Monet e Salvador Dali. Desde 2003, foram cinco roubos registrados, em que ladrões levaram, além de pinturas, documentos históricos, livros raros e outras preciosidades. Até a célebre obra "O grito", de Edvard Munch, se encontra entre as peças desaparecidas.

A falta de segurança favoreceu tais ações, que deixam um quadro preocupante no que se refere à guarda de obras de arte nacionais e internacionais no Brasil. Segundo informações do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), hoje são cerca de 1010 peças desaparecidas, índice que já é alarmante.

Ações para recuperar peças roubadas e capturar os envolvidos estão sendo feitas. Em uma ação realizada no Morro dos Prazeres, em Santa Teresa, no Rio de Janeiro, foram encontradas restos de molduras que teriam sido retiradas dos quadros roubados.

Trata-se de uma quadrilha internacional que estaria por trás dos roubos de obras de arte. As peças, várias delas, já podem estar fora do Brasil. Segundo o avaliador de obras de arte, Jones Bergamin, não existe um mercado clandestino de obras de arte no Brasil. Um dos suspeitos pode ser o falsificador de quadros Michel Sylvain Cohen, que havia escapado, três anos atrás, de uma prisão no Rio. Ele teria participado de um assalto no Museu Chácara do Céu, quando nove turistas foram seqüestrados e um vigia foi agredido por se recusar a desligar o circuito interno de televisão. As autoridades brasileiras divulgaram as fotos dos suspeitos nos aeroportos, oferecendo recompensa de R$ 10.000,00 para quem oferecer informações que levem a polícia a prender os ladrões.

As peças de arte, cada uma, são avaliadas em cerca de US$ 50 milhões em média. Mas a ação de ladrões não é a única ameaça relacionada à guarda de obras de arte em museus brasileiros. Uma série de fatores, vinculadas tanto à burocracia quanto à negligência do país quanto à valorização da memória histórica, acontece, constituindo num desleixo típico de um país como o Brasil, que costuma desconhecer e menosprezar seu próprio potencial.

Há uma falta de preparo dos próprios seguranças, que nenhum equipamento sofisticado de segurança pode resolver. Afinal, para que reforçar a aparelhagem de segurança, se os guardas responsáveis mal conseguem mexer num computador? E por que eles têm que andar desarmados, se isso inutiliza totalmente o seu trabalho, porque apenas vigiar não previne ações de assalto. Pelo contrário, uma ação desse porte inevitavelmente põe esses guardas em pior situação, desprevenidos e indefesos.

Além disso, há as instalações problemáticas dos museus, com telhados que não protegem os recintos, que sofrem a ação de goteiras e da umidade que pode prejudicar as obras. Não há investimentos sérios que possam fazer os museus, além de seguros, mais apropriados para guardar e preservar as obras de arte. Alguns museus nem possuem detector de metais. Mas o Museu Chácara do Céu, com sistema interno de televisão, não conseguiu evitar um assalto que fez o museu perder obras de grande valor.

No início de março, o Ministério da Cultura anunciou um plano com o objetivo de reforçar o esquema de segurança em todos os museus brasileiros. Resta saber se ele será mesmo eficaz e permanente e se todos os investimentos necessários serão a ele destinados.

Fontes: Site do Fantástico (Rede Globo) e Agência LUSA.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A IMPORTÂNCIA DE OSCAR NIEMEYER PARA O BRASIL E O MUNDO

Por Alexandre Figueiredo

Oscar Niemeyer, um dos mais renomados arquitetos brasileiros, nos deixou ontem à noite, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, a dez dias de completar 105 anos. Sofria insuficiência respiratória e desde novembro estava muito doente.

Foi uma vida longeva e ativa, em que Oscar, mesmo com a voz mais frágil, expressou sua lucidez nos últimos anos. Era um dos últimos remanescentes de uma produtiva geração de intelectuais que procurou pensar e agir pelo Brasil. Era formado em Arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes, atual Escola de Belas Artes da UFRJ, em 1934.

Era uma época em que a geração modernista já se consolidava como um grupo de intelectuais dedicados ao progresso sócio-cultural do Brasil. Mário de Andrade já atuava em cargos administrativos do governo paulista e depois se tornaria um dos fundadores do IPHAN, então conhecido como SPHAN (Serviço), juntamente com Rodrigo Melo Franco de Andrade.

A fundação do SPHAN, a partir de 1936 mas oficialment…

A CONTRIBUIÇÃO DE DURKHEIM À SOCIOLOGIA

Por Alexandre Figueiredo

A sociologia contemporânea deve seu avanço a Èmile Durkheim, fundador da escola francesa. Reconhecido mundialmente como um dos pensadores do conceito de coerção social, sua sociologia marcou-se pela combinação da sua teoria com a pesquisa empírica.

Èmile Durkheim nasceu em 15 de agosto de 1858, na cidade de Epinal, no noroeste francês, região localizada na fronteira com a Alemanha. Durkheim era de família judaica, mas do contrário que definia a tradição de seus familiares, ele recusou-se a seguir a carreira de rabino.

Não bastasse ele ter vivido numa época de grandes transformações no universo do pensamento mundial - a segunda metade do século XIX, tempo de profundas transformações tecnológicas e culturais na Europa - , ele também viveu em sua juventude as transformações referentes ao país onde nasceu e viveu, a França. Era a época do conflito com o exército alemão, que forçou os franceses a ceder o território da Lorena. Era também o período da Comuna de Paris, e…

FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO VIRA PATRIMÔNIO CULTURAL

Por Alexandre Figueiredo

A Feira de São Cristóvão, tradicional espaço de cultura nordestina na Zona Norte do Rio de Janeiro, é considerada patrimônio cultural. O presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, sancionou a lei, lançada pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) e aprovado em votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O tombamento veio em bom momento, uma vez que a Feira de São Cristóvão, que desde 2003 ganhou o nome de Centro Cultural Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas e também é conhecido popularmente como Feira dos Nordestinos ou Feira dos Paraíbas, estava ameaçada de ser despejada do Pavilhão de São Cristóvão, que abriga o evento, por causa de uma dívida de R$ 400 mil da Prefeitura do Rio de Janeiro com o Ecad. Com o tombamento, a Riotur não pode mais intervir no despejo da feira.

A feira é composta de aproximadamente 700 barracas relacionadas a diversas modalidades da cultura nordestina, como culinária, artesanato, trios, bandas de forró, dança,…